Sharon Stone Ensina a Fazer O Icónico Cruzar de Pernas Num Discurso Empoderador

Ninguém cruza as pernas como a atriz, mas podemos tentar. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D.R. e GTRESONLINE.

A determinada altura, durante um interrogatório para uma investigação de um homicídio, Catherine Tramell, a personagem interpretada por Sharon Stone em Instinto Fatal, cruza as pernas. E se, no momento da gravação, parecia apenas um movimento regular, este acabou por fazer parte de uma das cenas mais icónicas – e sensuais – da história do cinema. Quase três décadas depois, a protagonista recriou-o e respondeu ao que é, de acordo com a própria, uma das questões mais frequentes em entrevistas: como surgiu o gesto.

O eterno cruzar de pernas 

Foi no palco da cerimónia de entrega de prémios do GQ Men of the Year Awards, em Berlim, enquanto aceitava o galardão de Mulher do Ano, que a atriz recordou a cena. Com um vestido Saint Laurent preto, coberto de brilho, que relembrava a detetive a que dava vida na película de 1992, Stone voltou a cruzar as pernas. E ensinou o público como fazê-lo. Mas, mais do que isso, revelou os segundos antes da gravação desta.

«Há alguns anos, antes de podermos ser quem somos nas nossas pequenas cidades, estava sentada no cenário e o meu realizador [Paul Verhoeven] disse-me ‘Podes dar-me as tuas cuecas, porque as veremos na cena e não as deverias ter vestidas. Mas não se vai ver nada’. Eu disse, ‘Claro’», contou a atriz. «Não fazia ideia de que este momento iria mudar a minha vida», adicionou.

1,2,3… Cruzar as pernas à la Instinto Fatal

Uma cadeira surgiu em palco para que, com esta, Sharon Stone pudesse recriar o que chamou de «momento que mudou a vida» desta. Depois de pedir ao público que se juntasse a ela para o relembrar o icónico movimento, colocou ambos os pés no chão, as mãos atrás das costas e cruzou as pernas à la Instinto Fatal. Mas isto não foi apenas uma lição de sensualidade dada pela atriz. Este momento serviu também de gancho para uma conversa empoderadora.

«Cada um de vocês vai ter um momento como o meu. Um momento que vos vai mudar a vida. Podem saber que isso está a acontecer, ou não. Mas uma coisa é certa: vão ter um, se é que já não o tiveram. E as pessoas vão fazer-vos perguntas difíceis, se é que já não o fizeram. Por isso, o tempo de decidir quem são, é agora. O tempo de decidir o que fazer com os vossos lados mais ternurento, importante, bonito, aventureiro, apaixonado é agora. E o que vão fazer com eles? Digo-vos o que fiz com o meu. Respeitei-o», declarou, acrescentando que aconselha o público a seguir os seus passos, de modo a sentir-se empoderado.

Sexo descredibiliza as mulheres

Ainda que grandes passos tenham sido dados para que o género feminino tenha conseguido alguma liberdade sexual, décadas atrás esta era praticamente nula. E, por isso mesmo, a credibilidade de Sharon Stone foi arduamente recuperada devido a esta cena, agora icónica.

«Temos todo o direito de ser poderosas em qualquer forma de sexualidade que escolhamos e ninguém tem o poder de nos tirar isso», sublinhou Stone, antes de referir que a sua dignidade foi «dificilmente conseguida» depois de «apenas ter feito isso [o cruzar das pernas na controversa cena do filme de 1992]».