Rocketman: A Vida De Elton John Deu Um Filme

O filme já está nos cinemas. Por: Carolina Adães Pereira -- Imagens: D.R.; © Imaxtree

Reginald Dwight é daqueles nomes que vão ficar para a história, apesar de não ser facilmente reconhecido. Elton John diz-lhe alguma coisa? Cinco Grammys, cinco Brit Awards, um Oscar, um Tony Awards e outros tantos prémios não parecem suficientemente representativos do impacto que Elton teve na cultura pop.

A sua influência no panorama musical é inquestionável. Não só pelo seu vasto portefólio mas também pela sua imagem: a forma como muitos cantores e músicos se apresentam hoje é porque Elton, no auge dos anos 70 e 80, não teve medo de usar coordenados com penas, óculos com brilhantes e sapatos de salto alto enquanto tocava piano.

O seu estilo saltou dos palcos para servir de inspiração a marcas como Gucci e Nike. A sua música serviu de banda sonora para diversas histórias, tanto da ficção como da vida real. Agora, chegou a vez de a história do próprio Elton passar para o grande ecrã, com estreia marcada para dia 30 de maio.

Rocketman, uma vida que deu um filme

Com Dexter Fletcher como realizador – depois de ter finalizado Bohemian Rhapsody após o despedimento inesperado de Bryan Singer – e guião de Lee Hall, Rocketman promete ser um filme não só biográfico mas também um espelho da essência de Elton John: colorido, animado e cheio de ritmo, quase como um musical.

A tarefa de interpretar o cantor inglês foi entregue a Taron Egerton. Numa entrevista à revista GQ inglesa, o jovem ator – que poderá reconhecer da saga Kingsman – revelou estar ansioso por saber se o «que filmámos sobrevive aos retoques dos estúdios porque, com este filme, parece que estou a apresentar-me ao mundo, tipo ‘aqui estou eu!’».

Egerton também canta no filme. Aliás, foi precisamente este o elemento que levou a que entrasse neste projeto, dado que o ator original (Tom Hardy) não conseguia fazê-lo. Antes de Rocketman, o ator inglês tinha cantado apenas uma vez em cinema: no filme de animação Sing!, a canção I’m Still Standing, de Elton John. Coincidência? Preferimos chamar-lhe destino.

Com outros nomes no elenco, como Richard Madden e Bryce Dallas Howard, Rocketman chega às salas de cinema no dia 30 de maio.

Música pelo tempo: algumas músicas de Elton John que estão na vida de todas nós

Your Song (1970): A sua primeira canção de sucesso. Em 2001 apareceu no musical Moulin Rouge, e Ellie Goulding lançou uma versão em 2010.

Tiny Dancer (1971): Devido aos mais de seis minutos, não teve muito sucesso quando foi lançada. Mas tudo mudou em 2000, com o filme Almost Famous.

Bennie and the Jets (1974): Ou Benny and the Jets, como preferir. É normal ver o nome da música com estas duas grafias, tal como no CDe no vinil de lançamento.

Don’t Go Breaking My Heart (1976): Das músicas mais pedidas em sessões de karaoke em todo o mundo. Com Kiki Dee, foi o primeiro número 1 de Elton no Reino Unido.

Nikita (1985): Uma canção de amor sobre uma guarda prisional russa. Mas Nikita, em russo, é o nome de um homem, algo que o cantor já sabia antes de a escrever.

Can You Feel The Love Tonight (1994): Pertence ao imaginário de todos os que nasceram ou viveram a sua infância nos anos 90. E ainda bem!

Candle In The Wind (1997): A versão original para Marilyn Monroe é de 1973. No entanto, foi a versão dedicada à princesa Diana que teve mais impacto.

Sorry Seems To Be The Hardest Word (2002): A versão com os Blue é a prova de que as músicas de Elton John não conhecem espaço nem tempo.

 

Este artigo foi originalmente publicado na ELLE de junho de 2019.