A Coragem da Princesa Charlotte Foi Tida em Conta na Sua Alcunha da Creche

Se, em vez de ser realmente uma princesa, fosse apenas uma da Disney, seria Mérida, do filme Brave. Por: Inês Aparício -- Imagens: © GTRESONLINE.

Quem tem um nome longo, tem a sorte (ou o azar, em alguns casos) de ser chamado por uma alcunha. E se umas vezes esta é original, outras nem tanto. Quer dizer, não há mais básico que um José ser chamado Zé ou Margarida de Guida, certo? Mas a forma de tratamento da Princesa Charlotte, filha de Kate Middleton e do Príncipe William, não se insere na segunda categoria, pelo menos fora de casa (a família trata-a por Lottie, o diminutivo do seu nome).

Poucos dias depois do primeiro dia de aulas da filha dos duques de Cambridge no jardim-de-infância, na quinta-feira passada, 5 de setembro, a Vanity Fair revelou o nome pelo qual Charlotte era conhecida na creche. De acordo com a revista, a pequena era popular na escola de Willcocks enquanto «princesa guerreira», dada a sua «paixão pelo exterior e a sua personalidade endiabrada e extrovertida».

O Entertainment Tonight corroborou esta informação, adicionando que a escolha do nome esteve relacionada com a natureza da pequena. «Aparentemente passou a ser chamada desta forma porque é obviamente uma princesa, mas é também um pouco maria-rapaz», contou Katie Nicholl, especialista na monarquia inglesa, ao meio de comunicação. «Ela adora trepar árvores e é muito aventureira», completou.

Agora que a princesa Charlotte terminou a creche e mudou para o jardim-de-infância, esta alcunha poderá deixar de ser comum. Pelo menos no início, uma vez que, apesar de pertencer à família real britânica, esta será conhecida apenas como Charlotte Cambridge, sem que haja espaço para quaisquer tratamentos especiais devido ao seu estatuto. «A escola não dá importância ao facto de a realeza fazer parte dos seus registos. O George [o filho mais velho dos duques] é tratado da mesma forma que os restantes alunos. A única diferença é que ele tem um segurança a acompanha-lo», notou uma fonte à Vanity Fair.