Meghan Markle Prestou Um Tributo À Princesa Diana No Lançamento Da Sua Linha

A Duquesa de Sussex vestiu ainda peças da sua coleção cápsula solidária. Imagens: © GTRESONLINE.

A licença de maternidade de Meghan Markle terminou oficialmente com o lançamento da sua linha de roupa, cujos lucros revertem para uma instituição de solidariedade, a Smart Works, que ajuda mulheres desempregadas a entrar ou regressar ao mercado de trabalho. Nesse evento, realizado na quinta-feira, 12 de setembro, a Duquesa de Sussex usou algumas das peças da sua coleção cápsula, complementadas com um acessório que fazia parte da caixa de joias de Diana, numa homenagem à Princesa do Povo.

Com uma camisa branca, desenhada pela sua amiga e designer Misha Nonoo e umas calças de corte direito, criadas por Jigsaw, Meghan surgiu numa das lojas da John Lewis, em Londres, para mostrar as cinco peças que integram a linha solidária que desenvolveu propositadamente para elevar qualquer guarda-roupa de trabalho. Para adornar o seu coordenado, esta optou por adicionar uns brincos em forma de borboleta que a mãe dos príncipes Harry e William havia usado durante uma visita à Colômbia Britânica, numa viagem com o Príncipe Carlos, em 1986.

Esta não foi, no entanto, a primeira vez que a duquesa escolheu os mesmos brincos para um evento. Markle já fora vista com estas joias na sua primeira viagem real com o marido, aquando da visita ao jardim zoológico Taronga e à Admiralty House, a residência oficial do governador-geral da Austrália, ambos em Sydney.

Além dos brincos Meghan também utilizou uma pulseira de ouro com duas pedras azuis que também pertenciam a Diana.

Meghan quer mudar o modo como fazemos caridade

No discurso que a Duquesa de Sussex fez no evento de lançamento da coleção para a Smart Works, esta frisou que é necessário alterarmos a maneira como fazemos caridade, mudando o modo como pensamos em quem vai receber as peças que vamos doar. «Se quiserem ir a uma entrevista de emprego, querem sentir-se no vosso melhor, confiantes, e querem vestir roupa que vos façam sentir dessa forma, o que não vai acontecer com as sobras do que não foi vendido na última temporada», começou por dizer. «Temos de mudar isto. E uma grande parte dessa ação é tentar transformar a ideia de caridade em comunidade», adicionou.

«Quando vão ao vosso armário, enquanto mulheres, e pensam ‘vou doar alguma coisa’, não devem selecionar a roupa que já não usam ou que já não vos interessa. Esta é a forma como conhecemos a caridade nos dias de hoje. Comunidade é abrir o guarda-roupa e pensar ‘este foi o blazer que usei quando arrasei na minha primeira entrevista de trabalho e consegui o meu emprego de sonho. Não preciso mais dele porque estou onde quero estar. Mas se puder partilhar esta peça e fazer parte da história de sucesso de outra mulher, então isso é comunidade’», concluiu.