Lady Gaga Fala Pela Primeira Vez Sobre as Alegadas Acusações Contra R. Kelly

A música «Do What You Want», que gravaram juntos em 2013, sempre fora controversa. Por: Inês Aparício -- Imagens: © GTRESONLINE.

Cinco anos depois do lançamento de Do What You Want — a sétima música do álbum Artpop de Lady Gaga, que juntou a cantora e R. Kelly em estúdio —, a artista quebrou o silêncio relativamente a esta colaboração. Numa publicação no Twitter, Gaga pediu desculpa por só vir agora a público falar sobre o dueto com o rapper, que foi durante vários anos alvo de acusações que se adensaram depois da estreia da série documental Surviving R. Kelly na passada quinta-feira, 3 de janeiro. Desta fazem parte diversas entrevistas a mulheres que denunciam o poder e a influência do músico para silenciar os abusos físicos e sexuais que sofreram.

«O que tenho ouvido relativamente às alegadas acusações contra R. Kelly é absolutamente horrível e indefensável», nota Lady Gaga na publicação, na qual manifesta ainda a sua solidariedade para com as vítimas: «Apoio estas mulheres a 1000%, acredito nelas, percebo o seu sofrimento e dor, e sinto firmemente que as suas vozes devem ser ouvidas e levadas a sério».

Relembrando a sua experiência enquanto vítima de abuso sexual, a recente vencedora de um globo de ouro explicou que gravara a música «num período muito sombrio» da sua vida e o que o objetivo era «criar algo desafiante e provocador, porque estava zangada e ainda não tinha ultrapassado o trauma». «A canção chama-se Do What U Want (with my body), penso que é claro o quão ambíguo estava o meu pensamento na altura. Se pudesse voltar atrás e ter uma conversa com o meu eu mais novo, ter-lhe-ia dito para fazer terapia», sublinhou.

Lady Gaga acrescentou ainda que pretende retirar do iTunes e de outras plataformas de streaming o trabalho com o cantor de R&B, além de não voltar a colaborar com este.

Porquê agora?

Foi a partir do lançamento dos seis episódios do documentário no canal Lifetime — no qual, de acordo com o produtor do mesmo, Dream Hampton, muitas figuras que colaboraram artisiticamente com o cantor, como Jay-Z e Celine Dion, não quiseram aparecer, apesar do convite — que muitas celebridades denunciaram e se afastaram de R. Kelly. De entre essas figuras era esperado que surgisse também o nome de Lady Gaga, o que não aconteceu. Dessa forma, a pressão nas redes sociais para que a cantora abordasse finalmente a questão aumentou. Para os utilizadores do Twitter não fazia sentido que uma artista que é uma voz protuberante dos movimentos Time’s Up e #MeToo, e que fora também vítima de abuso sexual, não viesse a público.

Já em 2013, aquando do lançamento da música Do What U Want, a decisão de Gaga se juntar ao cantor fora controversa, tendo em conta que, vários anos antes, este estivera envolvido num caso de pornografia infantil, apesar da sua absolvição em 2008. Nessa altura, a artista chegou mesmo a defender a parceria numa conferência de imprensa no Japão, como recorda a Cosmopolitan: «Ambos temos, por vezes, notícias que não são verdade sobre nós. De alguma forma isto aproximou-nos, tornando-se numa ligação muito natural».

Consequências do lançamento do documentário

De acordo com o The Washington Post, as autoridades de Illinois pretendem encontrar vítimas ou potenciais testemunhas para que possam voltar a investigar as alegadas acusações de que o rapper é alvo. O CNN adiciona que R. Kelly poderá ser investigado também em Georgia. Ainda assim, o cantor de 52 anos nega todas as acusações.