Os Vestidos da Semana de Moda de Nova Iorque Que Foram Roubados ao Mediterrâneo

O sul da Europa foi levado para a cidade que nunca dorme em forma de flores, folhos e rendas. Imagens: ©Imaxtree

A Semana de Moda de Nova Iorque chegou ao fim esta quinta-feira, 12 de setembro, e uma das inspirações que se viu nas passerelles de muitos dos desfiles foi o Mediterrâneo. A cultura o sul da Europa foi levada para os desfiles em forma de vestidos que pareciam arrancados de umas férias à beira do mar quente europeu.

Os vestidos da mulher do sul

As referências culturais às nossas raízes foram feitas de rendas, bordados, estampados florais, polka dots e folhos. Quatro elementos que lembram as imagens que temos do Sul da Europa. Cores vivas, silhuetas ultra femininas, tecidos frescos e trabalho manual. As rendas e bordados fazem parte do imaginário tradicional de Portugal, mas também é algo muito presente em Espanha e Itália. Os folhos e os estampados florais são outro dos elementos que associamos ao cenário soalheiro de que se faz a costa sul da Europa.

desfile marc jacobs

Tory Burch, Brandon Maxwell, Prabal Gurung, Jason Wu e Michael Kors são alguns dos nomes que se inspiraram na estética mediterrânea para criar vestidos ultra femininos.

As tendências dentro desta inspiração

Os vestidos compridos são aqueles que mais continuam a marcar as passerelles. À semelhança do que acontece no verão 2019, também o verão de 2020 se vai fazer de longas medidas. Outra tendência que arrebatou Nova Iorque, foram as mangas. Apesar da estação em causa ser a quente, a grande maioria dos vestidos que se inspiraram na Europa, tinham mangas. Volumosas, com detalhes, ou mais discretas, certo é que em 2020 andar de braços tapados mesmo com 35ºC na rua vai ser uma realidade.

As golas vitorianas também voltam a dar ares da sua graça, e é expectável que no próximo verão cheguem em força. Porquê? A tendência vai tornar-se bastante forte este outono-inverno e por isso é natural que se estenda até ao verão.

Veja as imagens que provam que o sul da Europa invadiu a cidade que nunca dorme.