Rihanna Escolhe Modelo Com Marcas No Rosto Para a Campanha da Fenty

E preferiu mantê-las sem retoques. Por: Inês Aparício -- Imagens: © GTRESONLINE.

Inclusividade não é um termo de todo desconhecido para Rihanna. Depois de começar pelos 40 tons de base, ter evoluído pelos restantes produtos de maquilhagem que compõem a marca Fenty Beauty e seguido pela apresentação da linha de lingerie Savage x Fenty com modelos de tipos de corpos, etnias e cor de pele diferentes, a artista continua com o seu compromisso de colocar a tónica na diversidade, desta vez, através da escolha de uma modelo com marcas visíveis no rosto.

Para mostrar um acessório da sua nova marca, sob a chancela da LVMH, a cantora mais rica do mundo segundo a Forbes preferiu manter a pele da modelo Aweng Mayen Chuol sem retoques. Deste modo, as marcas no rosto da sudanesa ficam visíveis, num movimento considerado digno de aplausos por vários utilizadores das redes sociais.

 

Ver essa foto no Instagram

 

@fenty close up. The culture.

Uma publicação compartilhada por AWENG (@awengchuol) em

 

As reações à imagem

Nas redes sociais, foram vários os utilizadores que elogiaram a escolha da cantora. «Adoro que as imagens utilizadas pela Fenty não tenham sido retocadas e que a pele da modelo não seja perfeita tal como os padrões de beleza da sociedade o ditam», escreveu um. «Concordo. Isto é incrível. Mais empresas deveriam começar a fazer o mesmo», adicionou outro.

«Uau! Enquanto rapariga com marcas, isto toca-me prfundamente. Nunca tive nenhuma razão para me sentir menos mal em relação às minhas marcas até ver isto», comentou ainda outro.

Numa entrevista antiga, Aweng Mayen Chuol falou sobre como a indústria da moda via as suas marcas no rosto e a importância de as normalizar. «[As marcas] são parte de quem sou. Tenho-as desde que era nova e aprendi desde cedo de que estas eram bonitas. Estas são normais na minha cultura. São vistas como um sinal de amadurecimento ou crescimento enquanto mulher», explicou Aweng à Dazed and Confused. «As pessoas dizem-me que pareço um jaguar ou que sou exótica. Por vezes só quero gritar a todas ‘olhem para mim, não sou apenas uma marca, sou um ser humano’. Mas compreendo, é a curiosidade. Sei que sou diferente, sei que as minhas marcas no rosto são diferentes, mas para mim são beleza», concluiu.