Os Desfiles da ModaLisboa Começaram Com as Propostas do Sangue Novo

Os novos criadores mostraram que além de Sangue Novo têm sangue na guelra. Imagens: ModaLisboa

A fase final do concurso Sangue Novo abriu o primeiro dia de desfiles da 52ª edição da ModaLisboa, esta sexta-feira, 8 de março. Os seis finalistas – Archie Dickens, Carolina Raquel, Federico Protto, Opiar (Artur Dias), Rita Carvalho e The Co.Re (Inês Coelho e Rachel Regent).

O concurso, que teve a sua primeira fase na edição de setembro de 2018 na ModaLisboa, chegou agora ao fim e os três prémios foram finalmente anunciados.

Archie Dickens tornou-se na prova de que «os últimos são sempre os primeiros» ao ganhar o prémio The Feeting Room, o primeiro a ser anunciado. Este jovem criador – que se baseou na «liberdade de movimento» para uma coleção que é, na realidade, uma continuação do seu trabalho anterior «Formas de Vida 18» – irá, deste modo, ter as suas peças à venda na concept store portuguesa que emprestou o nome ao prémio.

Já na lógica invers, aqui a primeira ficou mesmo em primeiro, Carolina Raquel, a número um a colocar na passerelle os coordenados criados para a última fase do Sangue Novo, foi a vencedora do Prémio ModaLisboa para Melhor Designer Nacional. Esta inspirou-se no ato de esculpir para apresentar coordenados nos quais a tridimensionalidade e as assimetrias ganharam destaque.

O Prémio ModaLisboa para Melhor Designer Internacional foi atribuído a Federico Protto, que procurou quebrar convenções e normas através da coleção «Muses» (em português, musas). Despegando-se do ordinário, o jovem criador tornou-se a sua própria musa, ao inspirar-se na sua individualidade, como a sua origem hispânica e influências da sua adolescência.

O dia 8 de março seguiu com as apresentações de Duarte, Carolina Machado, Valentim Quaresma e Ricardo Preto.

Veja na galeria, em cima, todos os coordenados apresentados pelos finalistas do concurso Sangue Novo, levado a cabo pela ModaLisboa.