#madeinportugal: Le Mot, A Marca De T-Shirts Com Inspiração Parisiense

Eva Chen, Camila Coelho e Leandra Medine já se renderam à marca. Por: Vítor Rodrigues Machado -- Imagens: D.R.; © Instagram @lemot.tees

Se as palavras têm poder, as que se estampam nas peças da Le Mot têm em si não só a carga do seu significado mas também a vontade de as usarmos.

Podemos até não nos aperceber, mas todas as manhãs quando acordamos e nos dirigimos até ao nosso armário (ou se formos mais afortunados, até ao nosso closet) para escolher o que vestir, estamos a fazer muito mais do que simplesmente a cobrir o nosso corpinho com uns trapos que o protegem. Estamos, na verdade, a dizer ao mundo coisas como «amo as curvas do meu corpo», «hoje quero ser invisível» ou simplesmente «olhem para mim».

Isto porque (quer queira quer não) a roupa consegue falar. Por vezes, fá-lo subtilmente, através de padrões, cores, tecidos… Noutras, de maneira mais direta, recorrendo a palavras e a frases. E foi precisamente esta última forma dada como exemplo que foi escolhida pela Le Mot, em 2017, para se apresentar ao mundo, dizendo que é (ou que pode perfeitamente ser) «crème de la crème».

Inspiração parisiense

Mas como é que uma marca digna de vários hashtags e fotografias publicadas no Instagram nasce? Através da enorme paixão que Susana Santos nutre pela indústria da moda. E não, ela nunca estudou para ser designer. Na verdade, o percurso da fundadora da marca portuguesa é bastante (diga-se) peculiar. Inicialmente, o seu objetivo era tornar-se jornalista de moda, tanto que chegou mesmo a trabalhar na área, aqui, na ELLE Portugal, e na extinta revista de moda feminina para adolescentes Ragazza, mas depois de uns tempos, decidiu que estava na hora de conhecer o mundo.

Susana Santos mudou-se então para Paris para estudar Marketing e Management de Moda, no que deveria ser uma experiência de um ano. Eventualmente, o prazo acabou por ir aumentando. «Tive a oportunidade de ficar em Paris, onde arranjei trabalho, na Nina Ricci e na Jean-Paul Gaultier», disse Susana Santos à ELLE, clarificando que «na Jean-Paul Gaultier, estive no departamento de comunicação e no departamento de Alta Costura (…), fiz isso durante um ano e meio, e depois na Nina Ricci trabalhei durante três anos no departamento de comunicação, onde era basicamente a assistente do diretor de comunicação».

Le Mot

Seis anos depois, a fundadora da Le Mot estava pronta para regressar ao seu país natal. Mas no retorno não foram só as malas que viajaram consigo de volta a Portugal, mas também o desejo de trazer um pouco do je ne sais quoi para uma marca sua: «Já tinha esta ideia de querer fazer uma coisa minha, e já andava a pensar que queria fazer uma coisa com t-shirts, porque é uma peça que adoro, que é muito simples, e que todas as pessoas têm no guarda-roupa, é divertida… e depois, pronto, (…) fiz uma experiência. Produzi 100 t-shirts e vendi-as todas num mês. (…) A partir daí, a marca foi crescendo aos bocadinhos» contou-nos.

Desde esse verão de 2017, a marca expandiu-se. Além das t-shirts, Susana Santos acrescentou ainda camisolas, camisolas com capuz e t-shirts sem mangas. Mas não vai ficar por aqui. Em breve, a marca portuguesa terá também t-shirts para criança e uma linha em algodão orgânico, e se tudo correr bem, para o inverno, poderemos inclusivamente ter peças feitas em malha.

Tendo dito tudo isto, resta ainda esclarecer dois pontos sobre a marca: o primeiro é que as peças são inteiramente feitas de raiz e produzidas numa fábrica em Guimarães; o segundo, que as peças e frases (com a exceção de, por exemplo, a icónica «Crème de la crème») são de edição limitada.

Do real para o digital

Um dos fatores que ajudaram a Le Mot a tornar-se um verdadeiro sucesso, foram as redes sociais. Numa era completamente dominada pelo Instagram (que acabou por se tornar uma espécie de loja digital que está aberta 24h para o mundo inteiro), esta é, provavelmente, uma das melhores ferramentas usadas para internacionalizar uma marca. E Susana Santos teve a prova disso. Eva Chen, Camila Coelho, Leandra Medine, Vic Ceridono, Blanca Mirá, Lilly Pebbles e Alex Stedman foram algumas das influencers que já partilharam fotos com as suas peças Le Mot.

 

Este artigo foi originalmente publicado na ELLE de junho de 2019.