A Lacoste Liberta o Seu Lado Mais Selvagem Numa Linha Com a National Geographic

O reino animal invadiu a coleção inspirada no projeto Photo Ark. Por: Inês Aparício Imagens: © D. R.

Não, isto não é o Madagáscar – mas quase poderia ser. As portas do jardim zoológico parecem ter sido abertas e, daí, os animais seguiram os seus instintos até à nova colaboração da Lacoste com a National Geographic. O resultado é uma selvajaria impossível de domar, que mistura as silhuetas clássicas da marca com os padrões de zebras-de-grévy, rãs venenosas azuis, libélulas gigantes de Halloween e jaguar.

Inspirada no projeto que deu já vida a um livro e a uma exposição itinerante que viajou por vários pontos do globo – o National Geographic Photo Ark -, a coleção traz o reino animal para uma linha composta por polos, sweatshirts, puffer jackets, t-shirts, roupa interior e acessórios, como bonés, gorros e cachecóis. Existem opções para homem, mulher e criança, todas elas pensadas de forma ecologicamente responsável. Certificados como sustentáveis, os materiais que compõem a coleção variam entre o poliéster reciclado e algodão orgânico.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Follow their instincts to unleash your style. #LacostexNationalGeographic

Uma publicação partilhada por Lacoste (@lacoste) a

Para aprender

Além das boas-vindas a todas estas espécies através dos estampados – que chegam mesmo a cobrir o logótipo da marca, o icónico crocodilo, com padrões aparentemente inusitados -, estas chegam em forma de informação. Nas etiquetas das peças, é possível aceder a uma série de curiosidades acerca dos animais, como o facto de as rãs venenosas azuis não serem, na realidade, venenosas (apesar de o nome assim o dar a entender).

Todas as espécies num único projeto

O Photo Ark é um «ambicioso projeto», como a marca descreve em comunicado, dirigido pelo fotógrafo Joel Sartore. Este tem, ao longo dos últimos anos, procurado documentar todas as espécies que vivem nos zoológicos, aquários e santuários de vida selvagem existentes no planeta, de modo a celebrar «a diversidade e o esplendor do reino animal».