#ELLEstaylocal: Aqui Há Tee Chama Atenção Para A Política Através Da Roupa

Qualquer possibilidade de reconhecer uma das frases bordadas não é pura coincidência. Por: ELLE Portugal Imagens: © D. R.

Foi num jantar de reencontro, em modo desconfinamento, que nasceu a Aqui Há Tee. Entre conversas sobre tudo e sobre nada, Beatriz Isidro, Maria Rita Leitão, Marta Vicente e Rita Dias, quatro amigas de infância e estudantes universitárias, perceberam que a arte de bordar em que uma delas se tinha aventurado durante a quarentena podia ser mais do que um hobbie. Juntas, selecionaram frases de «cariz político-social, pronunciadas por líderes partidários, deputados, jornalistas ou outras figuras públicas» e acabaram por imortalizá-las em peças de roupa. O objetivo? Consciencializar para questões que todos devem conhecer, de forma a puderem exercer os seus direitos o mais responsavelmente possível.

Beatriz Isidro, Maria Rita Leitão, Marta Vicente e Rita Dias, fundadoras da Aqui Há Tee

O que vos levou a criar este projeto?

No meio do caos pandémico e do tédio existencial adjacente, a tendência do ser humano passa por se reinventar. A Marta partilhou connosco o facto de ter começado a bordar, na tentativa de aceleração da passagem do tempo. A reação passou por um entusiasmo em relação àquela que fora a ideia inicial: a imortalização de conteúdo político. A título de exemplo, frases de cariz político-social, pronunciadas por líderes partidários, deputados, jornalistas ou outras figuras públicas.

Qual é a história por trás do nome?

Aqui Há Tee é um jogo com a palavra “tea” (no sentido de “gossip”) e “tee” (abreviatura de t-shirt). Verdade seja dita, nos nossos jantares nunca falta um bom “tea”, especialmente um “tea” político e social.

O que foi mais complicado no processo de criar uma marca?

No processo de criação, o mais complicado nasce com a própria materialização da ideia teórica inicial. No nosso caso, residiu em escolher o local onde comprar as t-shirts, decidir as cores e o modelo das mesmas e que linhas usar. Para além disso, foi necessário escolher as frases ideais para cada t-shirt. Sempre na tentativa e no desejo de que a marca se tornasse o mais original possível.

Qual foi a razão para nunca desistirem?

O objetivo da marca é a consciencialização e, ao mesmo tempo, ultrapassarem-se barreiras de inclinações políticas para preocupações sociais. Fazemos sempre questão de, no lançamento de um novo modelo, fazer passar informação importante e independente. Consideramos necessário e urgente essa mesma partilha e é nisso que acreditamos, uma vez que, quanto mais informados estivermos, mais alerta estaremos para reivindicar os direitos de todos.

Qual foi o melhor momento ou história da marca até hoje?

A criação do projeto foi, sem dúvida, um dos episódios mais hilariantes da criação. Foi um “click” automático de amigas que se conhecem desde infância e partilham os seus ideais e valores. Foi muito entusiasmante o momento em que percebemos que estávamos todas a olhar na mesma direção e que tínhamos o mesmo objetivo. Divertimo-nos muito nesse jantar e a marca tem-nos dado momentos muito bons.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por aqui há tee (@aquihatee) a

Como é que a vossa marca faz a diferença?

Julgamos que o ponto mais original do projeto é a circulação de informação; a afirmação política, que ultrapassa muros ideológicos para que todos estejamos cientes dos problemas globais. Para além disso, esse objetivo efetiva-se através do bordado à mão. A perpetuação do trabalho feito à mão, parece, com o tempo, estar a perder-se. Cada bordado tem uma cor de t-shirt associada.

O que ainda falta conquistar?

O projeto é, ainda, muito recente. Ainda estamos a perceber como a marca se move e, igualmente, como o público responde. O feedback tem sido positivo e a intenção é alargar horizontes e fazer a marca, Aqui Há Tee, crescer.

O que mais precisam neste momento para chegarem onde querem?

Neste momento, sentimos que o que nos falta é visibilidade. É ir para lá do que o que é o nosso público alvo, jovens entre os 18 e os 24 anos.

Quais os maiores motivos para comprar português?

Comprar português devia ser sempre a nossa primeira intenção. Passa pela necessidade e dever de dinamização da economia interna do nosso país. Comprar português é fomentar a economia portuguesa, a criação portuguesa e a nossa cultura. Especialmente, agora, no meio de uma pandemia.

Digam outra marca/espaço português que vos inspire e porquê?

Um dos projetos que nos inspiraram é o @desculpababe porque se relaciona com o nosso. Igualmente produzido em Portugal, é um projeto que aposta em t-shirt com frases.

_ _ _ _

#ELLEstaylocal

Apoiar e dar conhecer projetos portugueses é a missão da rubrica #ELLEstaylocal. Acreditamos que hoje é mais importante, que nunca, comprar português. É importante não deixar que marcas de qualidade se percam na espuma da pandemia.

#Ellestaylocal: Nana Ferrador, A Marca de Sapatos Verdadeiramente Irreverentes