Quem é Daniel Lee, o Novo Diretor Criativo da Bottega Veneta

A Kering apostou mais uma vez num designer pouco conhecido para liderar uma marca do grupo. Por: Inês Aparício -- Imagens: © cortesia Kering.

Apenas dois dias depois do grupo Kering ter anunciado a saída de Tomas Maier da direção criativa da Bottega Veneta, o conglomerado de luxo revela agora o seu sucessor. É Daniel Lee quem irá substituir Maier, que esteve à frente da marca italiana durante 17 anos. Lee ocupará  o cargo já no dia 1 de julho.

«Sinto-me tão honrado quanto entusiasmado por continuar o legado que foi criado na Bottega Veneta durante as últimas cinco décadas. Mantendo os já incutidos códigos da casa, trabalho, qualidade e sofisticação, procurarei desenvolver o que foi feito anteriormente, enquanto contribuo para trazer uma nova perspetiva e modernidade», afirmou o designer britânico.

Numa mensagem de boas-vindas, Claus Dietrich Lahrs, CEO da Bottega Veneta elogiou o novo diretor criativo da Maison: «Daniel Lee tem um profundo entendimento dos atuais desafios da casa, quer em termos de criação como de desenvolvimento. Ele trará à Bottega Veneta uma linguagem criativa nova e distinta que irá continuar a construir o sucesso da marca baseado nas ambiciosas fundações construídas ao longo dos últimos anos».

Também François-Henri Pinault, diretor executivo da Kering, explicou, em comunicado, porque é que Daniel Lee é a melhor escolha para a marca: «A singularidade da sua visão inspirada por uma visão criativa muito pessoal convenceu-me de que ele seria capaz de abrir um novo capítulo na história da marca. O seu trabalho é caracterizado por um grande rigor, domínio de técnicas em estúdio, uma verdadeira paixão pelos materiais e uma energia que mal posso esperar ver espelhada na Bottega Veneta».

Este será mais um exemplo da inclusão de designers pouco conhecidos nas marcas do grupo Kering, pela mão de Pinault. Daniel Lee segue a nomeação de Alessandro Michelle e Demna Gvasalia, que, ainda que algo desconhecidos para o grande público, na altura em que chegaram à Gucci e Balenciaga, respetivamente, terão invertido o curso das marcas, de forma positiva.

Da Céline para a Bottega Veneta

Licenciado na conceituada Central Saint Martins, em Londres, o designer britânico esteve, antes de chegar à Bottega Veneta, na Céline, enquanto diretor de pronto-a-vestir da marca. Este cargo, que assumiu em 2012, sucedeu-se a outros na Maison Margiela, Balenciaga e Donna Karan.