Porque Nos Vestimos De Forma Diferente Quando Estamos De Férias

Uma mudança de cenário pede uma mudança de estilo. Isto é o que o nosso guarda-roupa de verão tem a dizer. Por: Laura Craik -- Imagens: Imaxtree

Durante o dia, ela trabalha num escritório, onde “serve” verdadeiros looks de realeza executiva com a camisa presa na parte da frente das calças Celine. Durante a noite, ela é uma degustadora moderada de cocktails que, com o seu vestido midi da Vampire’s Wife, ganha um ar gótico chic, apropriado para qualquer ocasião.

Em agosto, ela… Bem, ela não tem a certeza do que é. Talvez uma espécie híbrida de górgona muito foleira que faz parte do concurso Ex On The Beach enquanto concorrente? A verdade é que a julgar pela sua mala cheia de padrões de palmeiras, chinelos incrustados com pedrinhas brilhantes e peças estranhas tipo caftans com aplicações de pompons em rosa fluorescente, a última descrição não parece tão descabida. Pois bem, assim sendo, seja então bem-vinda ao incrível mundo de Molto Molto Maria, a criatura para quem a época de férias é uma temporada sem qualquer tipo de barreiras que funciona como um escape à norma.

Molto Molto Maria

Todos nós conhecemos uma Molto Molto Maria. Possivelmente, também eu sou uma. Aliás, eu sei que sou. A ideia de fazer uma mala cheia de peças de bom gosto para a minha estada anual ao sol simplesmente não é para mim. Na minha opinião, quanto mais leves forem os vestidos, quanto mais laços tiverem as alpercatas e quantos mais penduricalhos tiverem os brincos, melhor. Esqueçam que o meu look do dia a dia é: Mãe Assediada com Camisola de Capuz e Leggings – para mim, a mais pequena brisa de férias é suficiente para me transformar numa Sophia Loren de marca branca. Brincos tipo candelabros? Sempre. Decote? Venha ele. Não dou espaço a eufemismos no meu guarda-roupa de férias.

Como seria de esperar de uma nação que cunhou o termo “Molto Sexy”, nenhum outro tipo de designers consegue satisfazer este alter ego melhor do que os italianos. Reparem na estética de Donatella Versace, as suas peças são simplesmente feitas para pessoas que adoram o brilho do sol numa praia em Capri, onde nenhum símbolo de status pode superar um macacão, sem costas, com estampado barroco (toalha Versace a combinar é opcional). Ainda assim, o patchwork estampado nos vestidos que se combinam com joias de conchas e pérolas seria excelente para uma viagem ao sul de França. E não podemos esquecer-nos de Margherita Missoni, a neta dos fundadores da Missoni, Ottavio e Rosita, e a propaganda perfeita que faz para a marca rétro, ideal para umas férias sofisticadas. Quem precisar de mais ideias só tem de dar uma vista de olhos na página do designer Roberto Cavalli (@robertocavalli), cuja vida inteira parece ser uma gloriosa festa dada junto ao mar da Sardenha.

A mala de férias nova iorquina

Enquanto os italianos estão casados com esta gioia di vivere – já faz parte do seu ADN –, os designers em Nova Iorque têm uma forma muito própria de criar um guarda-roupa de férias. Para a SS2019, a Michael Kors Collection e a Polo Ralph Lauren criaram para o mood de verão, saias tipo sarongue, lenços que se transformam num top, e aplicaram turbantes na cabeça.

Mas existem marcas jovens que também se aproximaram deste universo. Para a SS2018, Simon Porte Jacquemus criou a La Bomba, uma musa fictícia que se inspirava nas “raparigas das ilhas francesas”. Com isto ele deu-nos o derradeiro chapéu de férias Molto Molto que nos fez esquecer todos os outros: o chapéu de palha Jacquemus. Certamente sabe de qual se trata: aquele que correu o Instagram e que quase deitou a internet abaixo. Para a SS2019, o designer carregou ainda mais nesta ideia, ao colocar na passerelle uma infinidade de vestidos fluidos – alguns em chiffon, outros em tweed com uma franja. Jacquemus cria a fantasia perfeita da Riviera.

Coleções resort são sinónimo de férias

Esta mesma ideia de fantasia é essencial para o sucesso das coleções resort (usadas pelas pessoas que têm a sorte de viajar a meio do inverno para regressarem com um bronze invejável). Uma das marcas que criou nome por si própria nesta área é a Zimmermann (uma das mais compradas no Net-a-Porter). As vendas das peças de roupa das linhas resort são tão grandes, que criaram uma categoria que se dedica exclusivamente ao vestuário de férias, agora conhecido como Jet-a-Porter. «O verão, a praia e as férias estão sempre presentes nas nossas coleções de roupa de banho», diz-me Nicky Zimmermann. «É a sensação de alegria, diversão e entusiasmo que me inspira. Eu penso sobre como quero sentir-me nas férias e isso influencia aquilo que crio.»

Para Maryam Nassir Zadeh, o espírito de férias é bastante evidente – com uma pitada de ironia. Saias compridas repletas de botões, colares gigantes e vestidos sem alças são essenciais, bem como as bandoletes, os bralettes e os biquínis triangulares (dizendo apenas três). Como o seu Instagram vai atestar (@marayam_nassir_zadeh), a designer não é nenhuma desleixada no departamento de férias: os seus looks pegam nos elementos do seu “eu de férias” e combinam-nos com peças que fazem parte do seu dia a dia em Nova Iorque. Imagine um bralette sob um top colado ao corpo, e terá uma ideia do que se trata.

Porque mudamos de estilo nas férias?

Mas, então, porque é que tanta gente ganha uma nova persona no momento em que ouve a palavra “estrangeiro”? A resposta não é clara. Possivelmente será a tentação de se reinventar mesmo que só por 15 dias. Também pode ser a deliciosa perspetiva de libertar o nosso alter ego num solarengo e estrangeiro clima, a centenas de quilómetros de distância das pessoas que conhecemos.

«O meu alter ego de férias é divertido, despreocupado e está sempre pronto para qualquer aventura», diz Elizabeth von der Goltz, diretora de compras do Net-à-Porter. «Para mim, cada local pede um estilo diferente e, por isso, eu penso em quem quero tornar-me mediante o sítio para onde vou: Brigitte Bardot, se for o Sul de França ou o Brasil. Gwyneth Paltrow em O Talentoso Sr. Ripley, se for para uma cidade na Europa, ou Michelle Pfeiffer em Scarface, quando estou em Miami ou em São Bartolomeu», continua ela. «Sou sempre mais aventureira no meu estilo, por isso adoto mais cor, mais estampados, mais caftans sexy, mais vestidos de noite, e um pouco do estilo boho dos anos 70, o que não tem nada a ver com aquilo que visto na cidade.» Quanto aos seus objetos essenciais, ela tem sempre consigo «peças de joalharia de praia: colares com missangas e conchas, anéis de cocktail e brincos bastante dramáticos, que nunca uso.»

A ex-diretora da ELLE UK, Anne-Marie Curtis, tem afiado o seu estilo de férias ao longo do tempo, permanecendo sempre o mesmo – com peças novas todos os anos, como um biquíni da Eres numa cor nova. «É uma combinação entre o estilo elegante de Jean Seberg na Riviera Francesa (camisas masculinas oversized, alpercatas, tops com riscas azuis e carteiras de palha) e os looks de Jackie O de férias durante os anos 60 (lenços Pucci, óculos de sol gigantes e umas sandálias rasas). Existe ainda uma dose ocasional de peças mais exageradas (como um caftan em padrão leopardo aqui e uma peça de joalharia mais marcante ali)», diz ela. Mas a maior mudança de todas vem com a utilização da cor: «O meu guarda-roupa de trabalho, e até mesmo fora do trabalho, está reduzido a uma paleta de cores bastante pequena, de preto, azul-marinho, caqui, azul-pálido e branco. Mas, en vacances, surgem o rosa-flamingo, o amarelo pôr-do-sol e o vermelho intenso.» E depois há também os padrões: «Florais, riscas ou motivos abstratos… e até um estampado animal ou dois. É como se a minha criança interior, extasiada por comer tantos Soleros, se libertasse para brincar… Pelo menos, durante aquelas duas semanas.»

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Hit Refresh. So I havn’t shopped much the past few months. To be fair I have…quite a lot of ‘stuff’ already and just thought would try and actually wear the things I already had and see where it took me. Actually it was fine and quite fun to shop my own wardrobe. I rediscovered pieces had forgotten I had and also realised I probably never needed to buy a blue shirt again. 😂. But then summer holidays came into view 😎 and suddenly had the urge to hit refresh on my holiday ‘persona’…essentially block coloured @eres bikinis.Tick.men’s style shirting for cover ups. Yep.And a collection of favourite dresses pulled out year after year… because I love them and they feel like happy memories of holidays gone by. Yay. But sometimes you know you just want to change it up…explore a new version of you . This lime green gingham @ganni dress and deckchair striped @ascenolondon bikini are definitely a bit more ‘jazz hands’ than my usual colour scheme. 🤩And the delicately printed floral dascoli_dress and @matteau bikini a bit ‘softer’ than my usual style. 🌸. I’m still taking my my old favourites along so still the same me essentially…just a little bit softer round the edges and definitely jazzier.⚡️. And thank you @matchesfashion for always delivering the magic. Both literally and figuratively. #hitrefresh #samebutdifferent . #fashionwithfeeling #holidaywardrobe 💫💫💫💫💫💫💫

Uma publicação partilhada por anne-marie curtis (@a_m_c) a

A modelo e influencer Monikh Dale descreve o seu alter ego de férias como «a mesma rapariga, só que amplificada 1000 vezes», algo que os seus mais de 119 mil seguidores no Instagram poderão confirmar. «Eu uso o mesmo estilo de roupa e maquilhagem, mas enquanto em casa eu acordaria e vestiria a minha roupa de trabalho, de férias eu visto um gigante mas elegante caftan, com óculos de sol e bastantes acessórios», diz ela. «Eu tento seguir o estilo da Carrie Bradshaw onde quer que esteja no mundo. Vestidos básicos e elegantes com mules de salto pequeno, e o cabelo frisado, selvagem.»

A melhor parte das férias de verão é, sem sombra de dúvida, o cabelo selvagem – eu que o diga, já que para o meu cabelo liso qualquer tipo de volume é uma bênção. Não é como se fosse encontrar-me com alguém que conheço. Bem, com a exceção de uma vez em que na Grécia fui parar a um sítio popular e bastante family friendly, onde dei de caras com o pai de uma das colegas de escola da minha filha. Graças a Deus não estava a fazer topless.

O verão e a cidade

O nosso mundo, no verão, pode não se expandir muito para lá do nosso local, até porque, depois da onda de calor do ano passado, são cada vez mais as pessoas que este ano estão a abraçar o espírito de férias no relvado de casa. «Temos visto as marcas de beachwear fazerem linhas de vestidos de verão que podem funcionar na cidade, até porque são muitas as mulheres que têm de trabalhar quando ainda está muito calor na rua e, por isso, tentam que as peças sejam cool e confortáveis, estão a ser um verdadeiro sucesso», explica von der Goltz. No Net-à-Porter foi tal a demanda por este tipo de peças que o site teve de pedir a designers especí cos para criarem coleções-cápsula exclusivas. Esta estação inclui marcas como Cult Gaia, Theory, Tibi, Arjé e The Row.

Quanto a mim, vou estar a encarnar a Barbara Streisand dos anos 70 numa ilha grega, com cordeiro kleftiko numa mão e um copo de retsina na outra, com o meu vestido dos «melhores hits do passado» a marcar os meus ombros queimados pelo sol, as minhas sandálias douradas da Ancient Greek Sandals (já com cinco anos de vida) a alojarem os meus pés e as minhas unhas dos pés pintadas na cor Punchy Pink da Essie. Até porque se não pintarmos as unhas dos pés numa cor intensa e fluorescente, será que podemos mesmo dizer que estamos de férias? De acordo com o meu livro (She Wants It, escrito pela Jill Soloway, já que pergunta), não. Por isso, um brinde a um verão incrível: vista o que vestir, esteja onde estiver, transformada em quem quer ser.

Este artigo foi originalmente publicado na ELLE de agosto de 2019.