Alguns dos Clássicos da Burberry Ganharam Uma Versão Mais Sustentável

As peças foram reinventadas segundo o princípio da moda circular. Por: Inês Aparício Imagens: © D. R.

Numa outra vida, foram redes de pesca, retalhos de tecido e plástico industrial. Agora, pelas mãos da Burberry, reencarnaram em versões mais sustentáveis de 26 modelos da coleção de primavera de 2020 da marca, numa preocupação com a circularidade dos materiais. Da clássica gabardine a casacos leves, passando por bolsas com logotipos gráficos e outros acessórios, as peças fazem parte da linha ReBurberry Edit.

Para a produção destes itens, foram introduzidos novos tecidos sustentáveis, como o nylon fabricado a partir de recursos renováveis, do qual o óleo de mamona é um exemplo, o fio de poliéster, conseguido através de garrafas plásticas e o econylon. Além destes, nos óculos que fazem parte desta coleção, foi utilizado acetato de base biológica, apresentado pela marca como um material pioneiro.

Transparência na etiqueta

Estes itens serão acompanhados por uma etiqueta na qual estarão destacados os principais elementos sustentáveis da peça, assim como os critérios considerados positivos pela maison que pretende seguir, avança o WWD. Serão, assim, explanadas a quantidade de fibras recicladas usadas, normas relativas à emissão de carbono nas entregas dos produtos e políticas sociais, como salários dignos para os trabalhadores. O objetivo da Burberry é que todas as peças integrem, até 2022, mais de um aspeto positivo na etiqueta de cada uma delas, sendo que, de momento, 2/3 das coleções de homem e mulher incluem apenas um ponto positivo.

«Ao convidar os consumidores a aprender mais sobre as referências de sustentabilidade dos nossos produtos através dos nossos rótulos, estamos a ajuda-los a entender as nossas iniciativas e a ambição da nossa agenda de responsabilidade», explicou Pam Batty, vice-presidente da responsabilidade corporativa da marca, ao Women’s Wear Daily.