Agora, A Burberry Também Já Tem Máscaras Sociais

Parte das vendas será doada aos mais afetados pela pandemia. Por: Inês Aparício Imagens: © D. R.

Desde o início da pandemia – em especial a partir do momento em que os elementos de proteção se tornaram obrigatórios, no caso de Portugal, espaços públicos fechados, como supermercados, farmácias ou lojas – que o número de modelos de máscaras sociais tem aumentado a olhos vistos. E, com uma necessidade constante de nos mantermos em segurança face ao novo coronavírus, este valor continua a crescer, quer nas mãos de marcas emergentes, designers portugueses ou insígnias de luxo. A última a fazê-lo foi a Burberry, que decidiu levar o seu icónico padrão para esta peça obrigatória nos dias de hoje.

A maison, que irá apresentar a sua próxima coleção num desfile ao vivo em setembro, desenvolveu duas versões diferentes, ambas com o mesmo estampado, ainda em que tonalidades diferentes (uma em tons de bege e outra num azul pastel). Produzidas a partir de excesso de tecidos, tornando-as mais sustentáveis, as máscaras são reutilizáveis e vêm acompanhadas por uma bolsa também em xadrez. Estas, além de serem de algodão, incluem uma tecnologia antimicrobiana, designada HeiQ Viroblock™, utilizada também numas calças capazes de eliminar o vírus.

Peças solidárias

Além de protegerem quem o utilizador deste elemento de proteção e quem o rodeia, as máscaras têm um cariz solidário. 20% do preço de venda de cada peça será doado ao Burberry Foundation COVID-19 Community Fund, que apoia os mais afetados pela pandemia, quer através da disponibilização de equipamentos de proteção individual, quer de assistência a bancos alimentares e organizações de caridade a nível global.

Para adquirir estas peças, nos tamanhos S-M ou M-L, pode fazê-lo no site da marca, por £90 (cerca de €100).