O Look de Billy Porter Nos Óscares É a Prova de Que Cada Um Usa o Que Quer

O ator quis mostrar que os homens não são definidos pela roupa que escolhem. Por: Inês Aparício -- Imagens: © GTRESONLINE.

Há quem diga que as regras foram feitas para serem quebradas. E, verdade seja dita, se não existissem corajosos que desafiassem todas as normas estabelecidas, ainda hoje o rosa seria exclusivamente feminino e o azul indiscutivelmente masculino, as mulheres não poderiam vestir calças ou a Barbie continuaria a ser loira e perfeita. Por isso, quando Billy Porter surgiu na passadeira vermelha dos Óscares 2019 com um vestido assinado por Christian Siriano, em vez do comum fato associado aos homens, a admiração fez-se sentir.

Mas quem pensa que o ator de Pose preferiu esta peça para chocar, ser extravagante ou simplesmente chamar a atenção, desengane-se. Esta escolha foi um desafio dos estereótipos e, mais do que isso, uma mensagem política que Porter quer que ecoe nas mentes da sociedade: um homem não é definido pela roupa que veste e ninguém deve ter medo de ser quem realmente é.

Numa carta aberta publicada na Vogue americana, o ator explicou a escolha, revelando ter sido uma forma de fazer pensar no modo como o dress code nos eventos é visto: «Acredito que os homens gostavam de arriscar mais na passadeira vermelha», notou Billy Porter. «Esta indústria mascara-se como inclusiva, mas os atores têm medo de arriscar, porque se aparecem em algo que desafia as normas, podem ser vistos como femininos e, por consequência, não vão conseguir aquele papel masculino, aquele papel de super-herói», escreveu, questionando ainda sobre o que é, afinal, a masculinidade e o que esta significa. «Eu tentava integrar-me na norma. Quando participei em Kinky Boots, a experiência surpreendeu-me de uma forma inesperada. Colocar uns saltos altos fez-me sentir o mais masculino que alguma vez me tinha sentido. Foi empoderador libertar-me desse modo», sublinhou na mesma carta.

«[Quando fiz a primeira prova do vestido] senti-me vivo. Senti-me livre. E liberto e radiante. E bonito! Algo que nem sempre acontece. Nem sempre me senti bem comigo mesmo. É realmente incrível a forma como a roupa consegue afetar o teu estado de espírito», admitiu. «A minha tia Dorothy costumava dizer, ‘Veste-te para o emprego que queres, e não para o emprego que tens’. É por isso que estou sempre bem quando saio de casa», revelou. «A partir deste momento, quero que as pessoas entendam que não tens que compreender ou sequer concordar com a autenticidade ou verdade das outras pessoas, mas temos que nos respeitar uns aos outros», concluiu o ator.

Veja na galeria, em cima, alguns dos momentos em que Billy Porter procurou quebrar estereótipos através da moda.