Adolfo Dominguez Volta a Apostar na Diversidade e na Representatividade

Se há um retrato real das mulheres é este. Por: Margarida Brito Paes Imagens: © D.R

Artigo Atualizado (29/11/2019)

A Adolfo Dominguez continua a apostar na imagem de uma mulher real. À semelhança do que tem feito nas últimas estações, a marca de roupa espanhola voltou a escolher modelos diversas para o seu lookbook. Desta vez, surgem duas modelos mais velhas nas imagens do site, mostrando a roupa ao lado das modelos mais tradicionais. A ideia da marca é, além de se aproximar do sue público real, mostrar como fica de facto a roupa em diferentes corpos. Mas também como se pode adapta a mulheres de várias idades. 

Além de fugir á norma dos castings tradicionais, evita também tapar as marcas do tempo no corpo destas modelos. As rugas, os braços flácidos, os cabelos brancos e as olheiras, são mostrados sem pudor. Porque a realidade é mesmo crua. No entanto, não tem de ser feia e estas imagens também o revelam.

Veja as imagens na galeria, em cima.

Artigo Original (26/6/2019)

A Adolfo Dominguez levou a representatividade a um outro nível. A marca espanhola escolheu uma mulher, que podia ser qualquer uma de nós, para o lookbook de primavera verão 2019. A grande diferença desta modelo de cabelo grisalho, as rugas, olheiras e braços flácidos, é que não é uma mulher de de 70 anos, mas sim na casa dos 40/50 anos, com marcas da vida e não só da idade.

A diferença entre estas imagens e as outras

Estamos habituados a que as campanhas que mostram mulheres mais velhas optem por modelos a partir do 60 anos, ou então por mulheres na casa dos 40 mas que ainda são muito bonitas e, apesar das rugas, que ainda fazem inveja às raparigas de 30. Esta campanha é completamente diferente por isso, porque revela uma mulher muito mais real. As rugas, olheiras e cabelo branco, mostram o envelhecimento provocado pelo stress diário e um estilo de vida acelerado. Esta é uma imagem com a qual uma grande parte das mulheres se consegue identificar.

Uma imagem disruptiva que não vende a ideia de «envelhecer bem». Aqui é mostrada a imagem do envelhecimento de forma real. Além disso é também representado o cansaço a que milhares de mulheres estão expostas de forma tão intensa e repetitiva. Um desgaste que acaba por se transformar em marcas no rosto e no corpo, até em idades mais jovens.

Não é a primeira vez que a macar espanhola aposta numa campanha onde o tempo se torna numa imagem. Em 2018 a Adolfo Dominguez lançou a campanha «Ser mais velho» com a modelo russa Valentina Yasen de 63 anos. Também as marcas espanholas Mango e Uterqüe revelaram este ano campanhas com modelo mais velhas. No entanto, nenhuma delas foi tão longe com a Adolfo Dominguez, ao escolher mostrar uma realidade crua, porque a maioria de nós não é modelo, e não fica estupenda mesmo com olheiras e rugas.