Trump Anuncia Programa Financeiro Para o Empoderamento das Mulheres

Cinquenta milhões de dólares que vão apoiar iniciativas em todo o mundo. Imagens: © GTRESONLINE.

A administração Trump está envolta em polémicas desde o primeiro dia. Além das questões da emigração, também os direitos das mulheres também têm sido postos em cima da mesa por diversas vezes. Muitas das decisões de Donald Trump, como as que dizem respeito à saúde, são apontadas como potencialmente prejudiciais para as mulheres. A Marcha das Mulheres, em janeiro de 2017, foi um momento histórico para o feminismo, e uma das maiores contestações públicas às decisões da Casa Branca.

Agora depois de ter recebido uma ovação de pé por parte do grupo feminista House Democratic Women’s Working, por ter anunciado, durante o discurso do Estado da União, números animadores relativos ao direito das mulheres, Donald Trump dá mais um passo em direção ao feminismo. Esta quinta feira, 7 de fevereiro, a administração Trump lançou o programa ‘Women’s Global Development and Prosperity (W-GDP)’, um programa financeiro que visa promover o envolvimento das mulheres na economia mundial, com a distribuição de 50 milhões de dólares por vários projetos para o empoderamento feminino.

«Ao investir nas mulheres em todo o mundo, estamos a investir nas famílias, estamos a investir na prosperidade, e estamos a investir na paz», disse o presidente Donald Trump em comunicado.

Este novo programa do governo, em que Ivanka Trump está envolvida, espera até 2025 alcançar 50 milhões de mulheres. Segundo um estudo referido pela Casa Branca, a economia mundial poderia crescer 12 triliões de dólares daqui a 6 anos, apenas através do empoderamento feminino.

Algumas das iniciativas que vão beneficiar deste apoio são: parcerias publico-privadas que atuem no campo do feminismo, a organização Women’s Impact Livelihood Bond II que apoia os negócios de mulheres no sul e sudoeste asiático, uma parceria ente a Pepsi e a USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional) para o desenvolvimento económico das mulheres em Bengala e um programa para o incentivo de uma maior participação de mulheres nos sectores da energia no Malaui, Moçambique, Kosovo, El Salvador, Gana e Libéria.