30 Anos Depois, ‘Dirty Dancing’ Vai Voltar Ao Ecrã Com A Protagonista Original

Vamos poder voltar a dançar com Frances Houseman. Por: Marisa Azevedo Imagens: © IMDb.

Há 30 anos, vimos nascer, na tela de cinema, a história de amor entre Frances Houseman – personagem a quem Jennifer Grey dá vida – e Johnny Castle – interpretado por Patrick Swayze. Agora, em 2020, numa conferência de imprensa online, Jon Feltheimer, presidente da Lionsgate, confirmou que Dirty Dancing vai ter uma sequela. «Este foi um dos segredos mais mal guardados de Hollywood», admitiu. Mas as boas notícias não se ficam por aqui: Jennifer está de volta a esta película como atriz principal e como produtora executiva, adiantou a ELLE Espanha.

A dança continua

São poucas as informações reveladas acerca do novo filme. Contudo, sabe-se que a direção vai ficar a cargo de Jonathan Levine e o guião terá as palavras de Mikki Daughtry e Tobias Iaconis – os guionistas do filme A distância entre nós, de 2018. Quanto ao nome de quem será o par romântico da personagem Frances ainda está no segredo dos deuses.

Na conferência, Feltheimer disse o que nós já esperávamos ouvir há muito tempo: a sequência «será o tipo de filme romântico e nostálgico que os fãs da película estavam à espera e que o tornou o título mais vendido da história da empresa».

Um romance de 1987

Foi só em 1988 que os portugueses conheceram a história, dirigida por Emile Ardolino, de uma menina (Frances Houseman) que começa a ver as suas férias «estragadas» quando sabe que os pais vão consigo para o resort, mas, quando dá de caras com  Johnny Castle, muda de ideias sobre como será a sua estadia. Como em todos os romances, há sempre alguém contra o casal e este clássico não foi exceção. O pai da personagem de Jennifer proíbe-a de ter qualquer tipo de relacionamento com o dançarino.

Neste mesmo ano, o filme e os protagonistas foram indicados para os Globos de Ouro, a canção The Time of My Life ganhou um Óscar e um Globo de Ouro, na categoria de melhor canção original, e a película ganhou um Independent Spirit Award na categoria de melhor filme.