O Olivier Avenida Tem Um Menu De Degustação Que É Mais Para Comer Que Provar

Pode deixar o carro ou o passe do metro em casa, que o mais provável é que vá regressar a rebolar. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

Aviso: sim, este artigo é aconselhado a pessoas sensíveis, mas talvez não às que tenham um estômago pequeno. A menos que, no dia em que decidirem provar o menu de degustação do Olivier Avenida, façam jejum até à noite, só para arranjar espaço para o jantar. É que, para marcar a renovação da sua esplanada, a postos para os dias de verão, foi criada uma ementa em que ‘quantidade’ é a palavra de ordem neste recanto da rua Júlio César Machado – uma paralela da Avenida da Liberdade -, que quase passa despercebido a quem lá passa.

Mas, a contrastar com o exterior, o espaço é envolvente e intimista. Um ambiente conferido pelas luzes baixas, o cheiro a baunilha que se sente no ar e a música que se faz escutar por entre as plantas que adornam o Olivier Avenida. Os tons quentes que dão cor ao restaurante, aconchegam quem aí decide jantar, prolongando a noite – já de si longa, se preferir experimentar o menu de degustação – para um copo ainda no espaço.

Um movimento de entrega de pratos em loop

Apenas às sextas-feiras e sábados, a expressão «vira o disco e toca o mesmo» ganha um novo significado. Por mais que os pratos sejam diferentes a cada movimento, nestes dias da semana, há uma espécie de loop da cozinha até às mesas, intensificado para as quais escolheram o menu de degustação. Os pratos são entregues continuamente, deixando adivinhar uma refeição longa e completa, entre a preocupação de existir espaço suficiente na mesa para que tudo caiba. As mesas compridas, tiram-nos as dúvidas, ainda que o jogo que se vai fazendo em cima destas pareça pedir a intervenção de Marie Kondo.

O menu longo e completo

Tal como a estação quente pede, os pratos que compõe este menu são leves. E para acompanhar as longas horas que estará à mesa, necessárias para conseguir (pelo menos) provar um pouco de tudo, peça uma sangria de citrinos e morango. É doce e fresca. Tudo o que precisa para iniciar (e prolongar) a refeição com base na gastronomia do mediterrâneo, repensada pelo chefpreneur Olivier da Costa.

O tiro de partida é dado com uma tábua com ovos mimosa, húmus, babaganoush (uma pasta árabe feita com beringela assada ou grelhada, tahine e sumo de limão), fuet, manteiga, terrina de foi gras e cebola confitada em vinho do Porto. A complementar estes elementos, surgem três tipos de pão diferentes, previamente cortado: o tradicional branco, uma variedade com sementes e ainda um torrado, que adiciona alguma crocância.

Os metros seguintes desta corrida – que não é um sprint, mas sim uma maratona – fazem-se com um carpaccio de polvo e pissaladière, uma espécie de pizza com cebola caramelizada, azeitonas pretas e anchovas, no qual o contraste do doce da cebola caramelizada com o salgado das anchovas é evidenciado. Estes seguem-se pelo ratattouille de pimentos, beringela, curgete, cebola e queijo feta, a agridoce salada de beterraba, maçã e aipo e ainda a salada de cuscuz com grão-de-bico e romã.

Ao contrário do que acontece numa prova de atletismo, o ponto alto da refeição não é o cortar da meta. É, contudo, o momento em que o prato principal chega: a tagliatta de panado de lombo de novilho, emparelhada com o linguini com molho de tomate, assim como o penne com natas e camarão.

O verão na mesa

Para terminar, chega à mesa uma tábua de sobremesas que não poderia gritar mais alto ‘verão’. Além de fruta da época, uma mini bola de Berlim de nutela viaja da quente areia da praia para o Olivier Avenida e uma versão miniatura de um churro é transportada de uma roulotte para o restaurante. Esta é, no entanto, elevada pelo chefpreneur através do acompanhamento de caramelo salgado. Por fim, e como não podia faltar durante a época alta, uma bola de gelado de baunilha é adicionada à equação.

O menu de degustação do Olivier Avenida, que está disponível apenas às sextas-feiras e sábados, tem um custo de €40 por pessoa. Neste valor não estão incluídas as bebidas.