Os Nove Melhores Momentos da Noite Dos Grammys de 2018

Claro que Beyoncé e o seu chapéu estão na lista. Por: Vítor Rodrigues Machado -- Imagem: © D.R.

Os melhores artistas do mundo da música voltaram a reunir-se, ontem à noite, para 60ª edição dos Grammy’s, o evento que premeia quem mais se destacou ao longo dos últimos 12 meses na indústria.

Entre atuações e prémios, foram vários os momentos que marcaram a cerimónia dentro e fora da sala de espetáculos. Em baixo, reunimos os nove que mais ficaram (e ficarão) na memória.

 

1 – A ansiedade de Cardi B

Se é das pessoas que segue a rapper nas redes sociais, e acompanha todas as suas entrevistas, sabe que ela não é pessoa para se conter nas palavras. Aquele filtro de politicamente correto, em Cardi B, não existe. Quando estava a ser entrevistada por Giuliana Rancic para o canal E!, a apresentadora perguntou-lhe se estava nervosa, e sem qualquer problema, a cantora de Bodak Yellow respondeu «Estou nervosa, assoberbada, tudo… Estou a sentir isso tudo! Borboletas no meu estômago e na vagina.»

 

 

2 – O vestido de Lorde

O que estava «acordado» era todas as pessoas levarem uma rosa branca ao evento, para mostrarem o seu apoio ao movimento Time’s Up, mas Lorde optou por não o fazer. Pelo menos, não como todos os outros. Em vez disso, nas costas do vestido, a cantora coseu uma mensagem que era a sua «versão de uma rosa branca».

 

3 – O cabelo de Lady Gaga

Graças à mestria do seu hairstylist, Frederic Aspiras, Lady Gaga surgiu na passadeira vermelha do evento com um duas tranças que se uniam através de cordões pretos, algo que rapidamente fazia lembrar um espartilho (e que facilmente poderia ser interpretado como uma mensagem política).

 

4 – A atuação de Kendrick Lamar

Dois anos depois de se ter apresentado nos Grammy’s em 2016, com uma poderosa atuação onde (graças à encenação e letra do single The Black The Berry), a crítica política e social esteve presente, o rapper voltou a repetir o feito, este ano. Através da letra da música XXX, do álbum DAMN, e com a ajuda de Bono, dos U2, e David Chappelle, o rapper voltou a por o dedo na ferida norte-americana, usando a música para responder às políticas de Donald Trump.

 

5 – O look de Beyoncé

Onde quer que esteja, vista o que vestir, Beyoncé está sempre perfeita (é uma verdade universal, e se não acredita, veja no Google). E a noite de ontem não foi exceção. A rainha, que não pisou a passadeira vermelha, apresentou-se no evento com um look em veludo, Nicolas Jebran, que trazia em si toda a magia do hip hop dos anos 80, destacando-se o chapéu (uma peça tão icónica, que por si só devia ser contado como uma entidade independente).

Yes, #Beyonce and Blue Ivy are at the 2018 #Grammys. And we need to talk. about. that. hat. ❤

Uma publicação partilhada por Elle Magazine (@elleusa) a

 

6 – Quando Blue Ivy disse aos pais para pararem de bater palmas

Não se percebe bem o motivo pela qual aconteceu, mas enquanto Camila Cabello discursava, num dos momentos em que as pessoas batiam palmas, Blue Ivy pediu aos pais para pararem de o fazer. O motivo é incerto, no entanto, algo sabemos: ela é a única pessoa que pode «dar ordens» a Beyoncé (ela e os gémeos).

 

 

7 – A introdução de Janelle Monáe à atuação de Kesha

A cantora e atriz garantiu que o movimento Time’s Up não era esquecido. Para introduzir a performance de Ke$ha, Janelle Monáe falou sobre a necessidade de, também na indústria da música, haver uma necessidade de acabar com a descriminação, assédio sexual, desigualdade salarial, e o abuso de poder.

 

8 – A performance de Rihanna, DJ Khaled e Bryson Tiller

Os três músicos juntaram-se, e transformaram o palco em algo que parecia ser uma pequena Havana, onde cantaram «Wild Thoughts», e onde Rihanna mostrou a todos como se dança com um vestido de franjas.

 

 

9 – Hillary Clinton lê Fire and Fury

A ex-secretária de estado norte-americana também não faltou ao evento. Num pequeno vídeo humorístico, apresentado durante os Grammy’s, podemos ver Clinton ler uma pequena passagem do livro Fire and Fury, de Michael Wolf, onde o jornalista (que basicamente viveu dentro da Casa Branca) fala sobre o primeiro ano de presidência de Donald Trump.