A Netflix Vai Produzir a Sua Primeira Série Original Africana, «Queen Sono»

Queen Sono chegará à plataforma de streaming no próximo ano. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

Uma espia de alto nível chegará, durante o próximo ano, à Netflix. A personagem, interpretada pela atriz sul-africana Pearl Thusi, será a estrela de Queen Sono, a primeira série original africana da plataforma que irá estrear no serviço de streaming em 2019, segundo anúncio da Netflix da África do Sul e da própria protagonista nas redes sociais.

Criada pelo realizador sul-africano Kagiso Lediga — que trabalhou anteriormente com Pearl Thusi na comédia romântica Catching Feelings (em português, Emoções à flor da pele) —, a série conta a história de uma espia que trabalha para uma agência sul-africana, de forma a melhorar a vida dos cidadãos do seu continente. Enquanto se envolve em diversas missões perigosas, esta tem de lidar com vários desafios na sua vida pessoal.

A atriz partilhou dois vídeos na sua conta de Instagram em que se mostrava emocionada por fazer parte de Queen Sono: «Estou muito orgulhosa e agradecida a todos os que contribuíram para que isto acontecesse. Era o meu sonho desde criança. Façamos história», escreveu na descrição da publicação.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

A Netflix first for Africa, Pearl Thusi as #QueenSono launches globally in 2019

Uma publicação compartilhada por Netflix South Africa (@netflixsa) em

Os planos da Netflix para o continente africano

De acordo com declarações da diretora de filmes originais internacionais da Netflix, Funa Maduka, à revista Variety, este original africano é apenas a ponta do iceberg que são os planos da plataforma para o continente. O serviço de streaming adquiriu também este ano os direitos mundiais para Lionheart, da nigeriana Genevieve Nnaji, e irá apresentar no festival de Sundance The Boy Who Harnessed the Wind, realizado pelo ator britânico e filho de pais nigerianos Chiwetel Ejiofor.

«África é o local de nascimento de uma das tradições mais antigas de contar narrativas. E também tem uma história cinemática rica», notou Funa Maduka.