O Movimento #MeToo é a Personalidade do Ano da Revista Time

Aqueles que quebraram o silêncio ilustram a capa e páginas da revista norte-americana. Por: Vítor Rodrigues Machado -- Imagem: © D.R.

A espera por uma das edições mais aguardadas da revista Time chegou finalmente ao fim. A pessoa do ano foi anunciada, e contrariamente ao que aconteceu nas duas últimas edições, em 2017 a revista reconhece não uma personalidade, mas antes um movimento que começou nas redes sociais e que fez milhares de pessoas quebrarem o silêncio: o #MeToo (que ganhou versões em outras línguas como #BalanceTonPorc, #YoTambien, #Ana_kaman) .

De acordo com o editor da revista, Edward Felsenthal, que revelou a capa em direto no programa norte-americano, Today Show, a decisão deveu-se ao facto de este ser «o movimento social mais rápido a que assistimos em décadas, e começou com atos individuais de coragem de mulheres e alguns homens, também, que decidiram contar as suas histórias sobre assédio e agressão sexual (…) E isto é apenas o início».

 

 

Na capa que tem como título «The Silence Breakers», podemos ver estrelas de Hollywood como Ashley Judd, e Taylor Swift, bem como outras caras menos conhecidas do grande público, como a ex-engenheira da Uber, Susan Fowler; Isabel Pascual, que trabalhava na apanha de morangos; e ainda a ativista responsável por lançar o #MeToo, Taran Burke – todas elas mulheres que quebraram o silêncio, contado as suas histórias publicamente. Contudo, estas não são as únicas personalidades presentes na edição. Ainda na mesma imagem, podemos ver o braço de uma mulher sem rosto, que (tal como foi referido no programa da manhã do canal norte-americano CBS, onde Felsenthal esteve presente) representa todas as centenas mulheres, e homens também, que diariamente decidem por um ponto final a situações de abuso.

Ainda dentro da revista, é possível encontrar os testemunhos de outras tantas vítimas como Rose McGowan, Terry Crews, Megan Kelly, Selma Blair, entre outros rostos desconhecidos do público.