Marks & Spencer Acusada de Ter Montra de Natal Sexista

Para a multinacional britânica, as peças-chave da estação para as mulheres são «cuecas extravagantes». Por: Cátia Pereira Matos -- Imagem: © Marks & Spencer

A Marks & Spencers, a maior rede de lojas de departamento do Reino Unido, está no centro de uma controvérsia que envolve uma montra de Natal que muitos internautas consideram ser sexista.

A montra em questão pertence a uma loja da Marks & Spencer na cidade de Notthingham e nela estão gravados dois slogans que encorajam a compra das peças-chave (as ditas ‘must-have’, em inglês) para a quadra festiva. De acordo com os slogans da multinacional, os homens devem ter «roupas para impressionar», ao passo que as mulheres devem ter «cuecas extravagantes». Estes slogans, que surgem lado a lado numa montra gigante, estão ilustrados com fotografias de dois modelos: o homem veste uma roupa formal; já a mulher surge em lingerie vermelha.

A mensagem gerou uma onda de indignação que culminou no encobrimento da montra, depois de esta ter sido boicotada por ativistas que fixaram nas janelas da loja Marks & Spencer um slogan alternativo: «[As mulheres] Devem ter direitos humanos totais» (no original ‘Must-have full human rights’).

Marks & Spencer responde às acusações de sexismo

A Marks & Spencer já se defendeu das críticas de que foi alvo. Ao The Guardian, a multinacional referiu que os slogans desta montra haviam sido interpretados fora do contexto de uma «ampla campanha que apresenta uma grande variedade de peças-chave para o Natal». À BBC, a empresa assegurou que não iria fazer nenhuma alteração ao tom da campanha.

Esta não foi a primeira vez que a Marks & Spencer enfrentou acusações de sexismo: em 2009, um anúncio televisivo da multinacional britânica foi severamente criticado por passar uma mensagem sexista através da frase «Ah, é Natal… Com aquela rapariga a dançar em lingerie», proferida pelo ator Philip Glenister.