Prepare-se Porque Júpiter, Saturno e Plutão Estão Retrógrados

E ninguém vai escapar a estar energia. Por: vitor-machado@rbarevistas.pt Imagens: © Unsplash.

Quando chega a noite e olhamos para o céu, contemplando todos os astros, geralmente somos inundados por um sentimento de tranquilidade inexplicável. No entanto, ultimamente, estes têm estado tudo menos calmos. Aliás, se existe algo que 2020 nos promete é não nos dar tréguas (sorry).

Janeiro começou com a rara conjunção de três velhos amigos: Saturno, Plutão e Júpiter, que já não se reuniam há milénios para bater um papo básico, no signo de capricórnio. De seguida, em março, Marte, que também queria fazer parte do grupo, e que já lhes tinha mandado uma mensagem a dizer «esperem por mim, estou a chegar», juntou-se aos três (apenas por instantes), de combustível e isqueiro na mão. E agora, quando todos pensavam que a conversa já tinha terminado entre os três primeiros, eis que eles decidiram voltar para trás e ficar retrógrados. Mas o que quer isto tudo dizer para nós, pequenos mortais? O melhor é irmos por partes para que possa compreender bem o que cada um destes significa e a mensagem que querem transmitir.

Plutão

O primeiro a ficar retrógrado, ainda na casa de capricórnio (até porque ele é super lento no seu movimento), a 25 de abril, foi o nosso querido e pequeno amigo Plutão. Apesar do seu tamanho, ele é grande em energia, e tem como palavra-chave “transformação”. Assim sendo, o seu objetivo é sempre o mesmo: limpar os velhos padrões que já estão desgastados e não nos servem de nada, para nos mostrar o que é verdadeiramente essencial.

Saturno

Depois deste pequeno amiguinho, foi a vez de Saturno (associado ao senhor do tempo Cronos) que estava já com um pé fora da casa de capricórnio (o signo do qual é regente), que decidiu voltar atrás no dia 11 de maio e é aqui que a coisa fica um pouco mais pesada. Ele é aquele velho professor sério, que dá as suas aulas de uma forma bem rigorosa (quase como a personagem Pai Mei, do filme Kill Bill), de quem nos fartamos de queixar porque é sério, chato e nos obriga a estudar imenso. Mas, no final do ano letivo, agradecemos, porque foi quem mais nos ensinou. Isto porque ele nos trouxe ordem, amadurecimento e uma estrutura forte que só foi possível construir graças aos seus ensinamentos, que têm por base experiências reais.

Júpiter

Júpiter foi o último a receber o memorando para uma nova reunião e, por isso, só ficou retrógrado em 14 de maio. No entanto, este não é o menos importante do grupo, até porque é a maior fonte de combustível do sistema solar. Uma espécie de banco – que por estar relacionado com o futuro e a expansão dos horizontes mentais, culturais e filosóficos – empresta o seu capital a quem precisa, para garantir que a mensagem é ouvida por todos.

 

saturno, plutão, júpiter, retrógrado

Conjunção e retrogradação

Esta conjunção planetária, como já foi referido, aconteceu logo no início do ano, na casa de capricórnio – o signo regido por Saturno que está relacionado com o coletivo, poderes políticos e económicos, e com uma forte tónica de pragmatismo, responsabilidade, aperfeiçoamento interno e que nos obriga a trabalhar para alcançar os objetivos. A mensagem era bem clara: Plutão dizia «temos de mudar, estes valores já não servem, estão velhos, e por isso temos que nos livrar de tudo para que possa surgir algo novo»; Júpiter consentia com um «eu alinho, e vou garantir que se faça justiça, e que o vosso aviso chegue ao mundo inteiro já que o vai ajudar a evoluir a sua consciência moral e material da população»; e por fim, Saturno acrescentava com firmeza «muito bem, como estamos na minha casa (capricórnio), e quem manda aqui sou eu, vamos fazer isso, vamos nos livrar de tudo que não faz falta, mas vamos fazer isso com rigor, para garantir que a estrutura de um novo mundo possa surgir e seja firme e forte».

A ideia dos três ficou mais do que clara nesta altura, mas então qual é o objetivo deste movimento retrógrado? Bem, metaforicamente falando, este tipo de acontecimento é uma espécie de aula de revisão. Não só para garantir que os alunos entenderam bem a matéria estudada, mas também para perceber se a forma explicada foi a melhor ou se tem que usar outras metodologias. Ou seja, este aspeto obriga-nos a reavaliar e a questionar todos os nossos valores sociais e políticos, para que deixemos de olhar para o nosso umbigo e comecemos a olhar mais para todos. Como se trata de uma importante fase de mudança, quem se recusar a aceitar esta transformação e a permanecer na velha estrutura, corre o risco de chumbar no teste final.

É importante ainda referir que esta informação, que é referente à sociedade inteira, se vai sentir até ao final do ano. A nível pessoal, os efeitos destes trânsitos são sentidos na casa astrológica do mapa natal (onde cada um de nós tem o Capricórnio) pela qual transitam.

 

Este artigo foi concebido com a ajuda da astróloga, Ana Rei, da Cabana do Sol.