Irlandesas Exibem Cuecas Em Protesto Contra um Julgamento Polémico de Violação

Da deputada que ousou exibir umas cuecas fio dental no parlamento aos protestos em vários pontos do país. Por: Cátia Pereira Matos -- Imagem: © Twitter Ruth Coppinger

«Tinha um grande decote, portanto estava a pedi-las». «Usava uma saia curta, estava à espera de quê?». Em casos de violação, pensamentos deste tipo ainda são proferidos em conversas de café e imortalizados nas caixas de comentários das redes sociais. Quem o faz, acredita que a escolha da roupa da vítima serve de desculpa — de convite — para agressões e abusos contra a liberdade sexual.

Foi precisamente a roupa interior, usada por uma adolescente irlandesa de 17 anos na noite em que foi violada por um sujeito 10 anos mais velho, que acabou por ter um peso preponderante na decisão do coletivo de juízes do Tribunal Central Criminal de Cork que avaliou este caso.

Encorajados pela advogada de defesa a atenderem às cuecas da vítima, os juízes (oito homens e quatro mulheres) acabaram por considerar que o agressor estava inocente. «Temos de ter em atenção a forma como ela [a vítima] estava vestida. Ela usava umas cuecas pretas de fio dental em renda», terá afirmado a advogada, Elizabeth O’Connel, citada pelo Irish Examiner, momentos antes de se conhecer o veredicto.

Face a este argumento de defesa, e consequente decisão judicial, as mulheres irlandesas uniram-se: no Twitter, uma hashtag deu visibilidade ao caso; nas ruas, contestou-se o sucedido; e no parlamento irlandês uma deputada chegou a exibir umas cuecas como forma de protesto.

#ThisIsNotConsent

A 10 de novembro, dias após o julgamento, o Twitter viu nascer a hashtag #ThisIsNotConsent (#IstoNãoÉConsentimento, numa tradução literal). As publicações identificadas com esta hashtag mostravam fotografias de cuecas de fio dental de diversas mulheres irlandesas que fizeram questão de tornar público o seu apoio à vítima. «Pedimos aos nossos seguidores que publiquem uma foto das suas cuecas para apoiar a vítima com a hashtag #ThisIsNotConsent», lê-se no tweet da página do grupo feminista I Belive Her – Ireland.

 

Roupa interior  no parlamento

No parlamento irlandês, a deputada socialista Ruth Coppinger pegou numas cuecas idênticas àquelas que a vítima usou no dia em que foi violada e exibiu-as perante os seus pares. «Pode parecer embaraçoso mostrar aqui umas cuecas fio dental. Mas como acham que se sente uma vítima de violação quando vê as suas cuecas serem mostradas em tribunal?», questionou, a 13 de novembro.

Nesse mesmo dia, Copping recorreu à sua conta no Twitter para apelar à participação dos cidadãos irlandeses num protesto que iria ter lugar no dia seguinte nas ruas da capital.

 

Manifestações nas ruas da Irlanda

Além de Dublin, as cidades de Limerick, Belfast, Galway e Cork também foram palco de manifestações onde centenas de homens e mulheres se reuniram para fazer ver que nenhuma peça de roupa serve de desculpa para um ato de violação.