Graça Fonseca e Marta Temido São as Novas Ministras da Cultura e da Saúde

Com esta remodelação no executivo o número de ministras aumenta de três para cinco. Por: Cátia Pereira Matos -- Imagem: © www.portugal.gov.pt

Marcelo Rebelo de Sousa já empossou as duas novas ministras do XXI Governo Constitucional. Numa cerimónia que aconteceu ontem, pelas 12h, no Palácio de Belém, o Presidente da República oficializou as novas funções de Graça Fonseca e Marta Temido, atuais ministras da Cultura e da Saúde do executivo de António Costa, respetivamente.

Na mesma cerimónia também tomaram posse Pedro Siza Vieira, ministro adjunto desde outubro de 2017 que passa também a assumir a pasta da Economia, e João Gomes Cravinho, o novo ministro da Defesa.

A nomeação das novas ministras e ministros acontece na sequência das remodelações governamentais propostas pelo primeiro ministro no passado sábado, um dia após a demissão de Azeredo Lopes do cargo de ministro da Defesa. Relativamente às mudanças nas outras três pastas ministeriais, António Costa confirmou à Lusa que todas aconteceram «a pedido dos próprios ministros», Manuel Caldeira Cabral, na Economia, Adalberto Campos Fernandes, na Saúde, e Luís Filipe Castro Mendes, na Cultura.

Com estas remodelações, o governo português aumenta para cinco o número de ministras, num total de 16 ministros. Graça Fonseca e Marta Temido juntam-se, assim, a Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, a Francisca van Dunem, ministra da Justiça, e a Ana Paula Vitorino, ministra do Mar.

Graça Fonseca: de secretária de Estado a ministra da Cultura

A nova titular da pasta da Cultura, Graça Fonseca, é um rosto familiar ao XXI Governo Constitucional, tendo desempenhado, de novembro de 2015 a outubro do presente ano, funções de secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa.

Em agosto do ano passado, Graça Fonseca protagonizou um momento histórico quando, em entrevista ao Diário de Notícias, assumiu publicamente a sua homossexualidade: foi a primeira mulher a fazê-lo no seio político em Portugal. «As pessoas afirmarem publicamente que são homossexuais, não há muito quem o tenha feito. E acho que isso é importante», afirmou a dirigente socialista, na altura.

De 2005 a 2008, foi chefe de gabinete do Ministro de Estado e da Administração Interna, cargo que pertencia a António Costa, e antes de ser nomeada secretária de Estado foi vereadora na Câmara Municipal de Lisboa com os Pelouros da Economia, Inovação, Educação e Reforma Administrativa.

Marta Temido: um novo rosto no governo

A saída de Adalberto Campos Fernandes do ministério da Saúde culminou na nomeação de Marta Temido. A nova ministra chegou a ser presidente do conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde, entre 2016 e 2017, e presidente da direção da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, entre 2013 e 2015. Era, até ao momento da nomeação, subdiretora do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa.

Natural de Coimbra, Marta Temido de Almeida Simões é licenciada em Direito, tem um mestrado em Gestão e Economia da Saúde e é doutorada em Saúde Internacional.