Etiópia Tem Pela Primeira Vez Uma Mulher Presidente, Sahle-Work Zewde

A diplomata é também a única mulher a assumir, atualmente, a presidência de um país do continente africano. Por: Cátia Pereira Matos -- Imagem: © Twitter UNOAU

Fez-se história na Etiópia: ontem, pela primeira vez, o parlamento etíope nomeou uma mulher, Sahle-Work Zewde, como presidente do país. A nomeação inédita da diplomata de 68 anos aconteceu um dia após a renúncia inesperada de Mulatu Teshome, que abandonou o cargo 12 meses antes de o seu mandato (de seis anos) terminar.

Eleita por unanimidade, Sahle-Work Zewde ocupava até ao momento da nomeação parlamentar o cargo de diretora-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nairobi, no Quénia. Paralelamente, assumia as funções de representante especial do secretário-geral da ONU, António Guterres, para a União Africana. Da sua longa carreira diplomática destacam-se ainda os cargos de embaixadora do Djibuti e do Senegal, o de Representante Permanente da Etiópia junto à União Africana e o de diretora-geral dos Negócios Africanos no Ministério dos Negócios Estrangeiros da Etiópia.

Num discurso breve, Sahle-Work Zwede assegurou que iria trabalhar para criar uma sociedade mais pacífica e unida, e que iria ter em consideração as mulheres da Etiópica. «Se acham que já falei o suficiente sobre as mulheres, saibam que estou apenas a começar», disse, citada pelo The Independent, dirigindo-se aos deputados do parlamento etíope.

Sahle-Work Zwede é, assim, a quarta pessoa a assumir o cargo de presidente da Etiópia desde a entrada em vigor, em 1995, da atual Constituição etíope. É também a única mulher a assumir, atualmente, a presidência de um país do continente africano. A diplomata tem pela frente um mandato de seis anos, podendo, ao fim desse tempo, ser re-eleita para um novo mandato. As suas responsabilidades enquanto chefe de Estado serão essencialmente simbólicas, uma vez que na Etiópia os poderes estão maioritariamente concentrados nas mãos do primeiro-ministro, Abiy Ahmed, no cargo desde abril.

As reações à nomeação de Sahle-Work Zwede

No Twitter, o secretário-geral da ONU congratulou Sahle-Work Zwede e aplaudiu a recente remodelação governativa feita por Abiy Ahmed no sentido de incluir mais mulheres nos cargos do executivo da Etiópia: 10 das 20 pessoas escolhidas pelo primeiro-ministro foram mulheres. «Os meus parabéns a Sahle-Work Zwede e aos etíopes, pela vossa primeira mulher presidente e pelo vosso novo gabinete com mulheres ministras em departamentos estratégicos», escreveu António Guterres.

Também no Twitter, Fitsum Arega, chefe de gabinete do parlamento etíope, deixou uma mensagem à nova presidente da Etiópia e considerou a nomeação de Sahle-Work Zwede um momento «histórico» para o país. «Numa sociedade patriarcal como a nossa, a nomeação de uma mulher como chefe de Estado não só estabelece um padrão para o futuro como também normaliza as mulheres como decision-makers na vida pública», acrescentou.

A diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, também felicitou, na mesma rede social, a nova Presidente da Etiópia.