#ELLEstaylocal : Clube Lisboeta, Do Mundo Inteiro Para Uma Mesa Bem Portuguesa

Desafio: tente chegar ao fim do artigo sem água na boca. Por: ELLE Portugal Imagens: © D. R.

Em julho de 2018 nasceu um Clube Lisboeta, mais exatamente no número 90 da Rua da Escola Politécnica. Mas este Clube, não é um seleto, secreto e exclusivo, antes pelo contrário, é Clube de amigos e família, sempre com lugar para mais um à mesa. A inspiração para os pratos chega dos quatro cantos Mundo, mas este é um projeto bem português.

 O que te levou a criar este projeto?

“A way of life around the world” – esta foi a frase de inspiração e de mote para a criação deste projeto. Traduz na sua génese um conceito de lifestyle à volta das influências mundiais. A preocupação com o ambiente, reflete-se na origem e escolha de produtos/fornecedores, e a não utilização de produtos processados.

A carta do Clube convida a viajar à volta do mundo, com influências de outras paragens, outras cozinhas, recriando e reinventando pratos tradicionais oriundos de outros países, outras culturas. A criação de um espaço onde a decoração e a estética apurada nos transporta para uma sala de estar confortável e requintada.
Tudo isto, com o devido equilíbrio dá-nos a sensação de bem estar, experiências únicas e momentos de prazer, porque é de momentos e sensações que vivemos.

 

 Qual é a história por trás do nome?

Clube Lisboeta – sempre imaginei um clube como algo que fosse de certa forma familiar, e onde todos os que o frequentam se sintam bem com família, amigos, negócios, festas de aniversários, momentos especiais…
A palavra Clube reporta, muita das vezes, para um espaço restrito e exclusivo. No nosso caso, esse não é de todo o conceito, muito pelo contrário. Para nós o Clube (Lisboeta) permite a cada membro acesso privilegiado a um conjunto de parceiros que dedicam a sua atividade ao contato com a natureza, aventura, passeios, workshops, entre outros.

O que foi mais complicado no processo de criar uma marca/espaço?

Lisboa tem sido invadida desenfreadamente por restaurantes, espaços giros, boas cozinhas e muita diversidade de conceitos. O mais difícil foi dar a conhecer a identidade do projeto que pretendemos que seja clara e distinta dos restantes espaços. Somos mais que um restaurante, somos um conceito que nos permite viajar sem sair de Lisboa .

Qual foi a razão para nunca desistires?

Todos os dias lutamos de modo a afirmarmos a nossa marca. O que estamos a viver é assustador em todos os aspetos da vida. A restauração no seu conjunto está a ser bastante afetada. Neste sentido estamos a reunir todos os esforços para que todos consigamos ficar bem.

Qual foi o melhor momento ou história da marca/espaço até hoje?

Sem dúvidas quando nos solicitaram a organização de um casamento no Clube Lisboeta. Os noivos, noruegueses, tinham muitos amigos na europa e na segunda vez que estiveram em Portugal conheceram o Clube Lisboeta. Ficaram encantados com o conceito, o espaço e a simpatia dos colaboradores. Para surpresa nossa, recebemos um e-mail a solicitar-nos a organização de um evento tão especial. Descrevo este como “o meu momento do Clube”. Um evento com muita partilha, cheio de detalhes, onde conseguimos realizar um casamento intimista e o resultado foi … tão bom, que queremos mais, muito mais, ….
Com isto percebemos que temos um espaço numa zona da cidade que é tendência, adaptável e que pode ser potencializado para a realização de casamentos para noivos que fogem ao tradicional.

Como é que a tua marca/espaço faz a diferença?

Considero o Clube Lisboeta um restaurante com muita pinta e cosmopolita, numa zona urbana cheia de vida, aliado a uma carta única, de diferentes países com preços acessíveis e sempre recebidos por uma equipa dedicada e simpática.

O que ainda falta conquistar?

Como o nosso conceito está diretamente ligado às viagens falta-nos “conhecer” mais países, novos destinos que desejamos partilhar à mesa com muitos mais clientes.

O que mais precisas neste momento, para chegar onde queres?

Neste momento precisamos da confiança dos portugueses: “A sua segurança é a nossa exigência” – este é o lema que sempre seguimos no nosso espaço, reforçado mais do que nunca nesta fase em que a segurança e a higiene estão na ordem do dia. A colaboração de todos é essencial e todos juntos venceremos esta fase menos boa.

Quais os maiores motivos, para comprar português?

Definitivamente as marcas portuguesas têm vindo a conquistar o seu espaço assente na qualidade dos seus produtos. Só com produtos de qualidade conseguimos resultados extraordinários. Neste momento tão crítico para os portugueses, que nos tem afetado a todos os níveis, faz sentido continuar a apostar na produção nacional. Ajuda a revitalizar a economia e a lutar contra uma lógica de preços baixos, de produtos importados, muitas vezes de qualidade questionável.

Diz-me outra marca/espaço português que te inspire e porquê?

Confeitaria Cistér (desde 1834) – Um pequeno espaço na zona do príncipe Real que, para quem não conhece, até pode passar despercebido. Fiquei surpreendida e ao mesmo tempo fascinada com a tradição que se consegue sentir numa das Confeitarias mais antigas de Lisboa. Tal como eu, provavelmente muitos lisboetas desconhecem tantas histórias que se passaram neste espaço icónico da capital. Fiquei a saber que era aqui que Eça de Queirós tinha por hábito tomar o seu pequeno-almoço e beber o seu café. Deve ter escrito por ventura algumas linhas neste espaço emblemático. Mas há outras riquezas inesquecíveis que se podem continuar a descobrir aqui: desde a famosa marmelada ainda hoje feita com a receita criada pela ordem da Cistér, aos famosos merengues, telhas de amêndoa, queques da madeira, ou pão de Coimbra. Doçaria conventual e tradicional portuguesa de perder a cabeça.