5 Ebooks Para Ler Sem Ter De Esperar Que a Versão Física Chegue Pelo Correio

Até porque estão à distância de apenas um clique. Por: ELLE Portugal Imagens: © D. R.

Qualquer altura é boa para devorarmos todos os livros que temos na estante. Mas, durante esta época de isolamento social, temos ainda mais razões para o fazermos (sendo as longas horas em casa a primeira, obviamente). Por isso, para quem ficou já sem opções de leituras para os próximos dias, reunimos cinco histórias que deve conhecer. São todas na versão digital, para que não tenha de ficar nem mais um segundo à espera que cheguem pelo correio.

 

O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe

Disclaimer: qualquer livro deste autor deve ser lido e relido, quer em quarentena, quer num qualquer outro momento da sua vida – a escrita de Valter Hugo Mãe é simplesmente brilhante. Mas se for nova na obra deste escritor, comece por ler O filho de mil homens. Uma história sobre simplicidade, uma cegueira ingénua do preconceito e a prova de que somos o resultado de todos os que se atravessam no nosso caminho, das suas vivências, experiências, personalidades e sonhos. Somos, no fundo, filhos de mil homens.

Disponível no site da Porto Editora, €9,99.

 

Um mar de segredos, de Catherine Steadman

Mantemo-nos em suspense a cada página que folheamos (ou passamos, na versão digital) e chegamos ao final em choque, mesmo depois de gritarmos internamente com as personagens pelas decisões que tomam ao longo da narrativa, convencidas de sabermos serem péssimas escolhas, tal como num thriller ou filme de terror. As personagens principais desta história, um casal em lua de mel num local paradisíaco, encontram algo estranho (o título original é Há algo estranho na água) enquanto fazem mergulho e, a partir daí, a sequência da narrativa toma caminhos aparentemente impensáveis.

Disponível no site da Bertrand, €8,49.

 

Casos do Beco das Sardinheiras, de Mário de Carvalho

Numa altura em que ficar em casa é a palavra de ordem, ler o Casos do Beco das Sardinheiras – «um beco como outro qualquer, encafuado na parte velha de Lisboa», que uns dizem ser de Alfama, outros da Mouraria, como Mário de Carvalho o descreve – é, passando o cliché, uma viagem pelas folhas, pela própria capital e pelo que mais de português há: as pessoas.

Disponível no site da Porto Editora, €9,99.

Perguntem a Sarah Gross, de João Pinto Coelho

É entre dois períodos históricos e dois lugares também distintos – os Estados Unidos e a Polónia, os anos de 1968/69 e o período em que culmina a Segunda Guerra Mundial -, que esta narrativa se equilibra para contar a história de duas mulheres: Kimberly Parker, uma que decide atravessar o território norte-americano para se tornar na professora de literatura de um dos colégios mais prestigiados dos Estados Unidos, e Sarah Gross, a que toma o leme dessa instituição. Com episódios, por vezes, de uma crueza e brutalidade desarmantes, este Perguntem a Sarah Gross traz, através da escrita exímia de João Pinto Coelho, uma nova perspetiva sobre Auschwitz, afastando-se, assim, da possibilidade de se tornar em apenas mais um livro sobre o Holocausto.

Disponível no site da Leya, €7,08.

 

Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago

Nunca antes parecera, esta obra, tão atual como agora. Por isso, ultrapasse a barreira da (ausência de) pontuação e descarregue o livro. Neste, vai conhecer a história de um homem que, inexplicavelmente, deixa de ver, e cuja cegueira se estende a outros indivíduos, tornando-se numa cegueira coletiva. É assim que Saramago o fará refletir sobre o modo como o ser humano reage em tempos de adversidades.

Disponível no site da Porto Editora, €9,99.