A História do Dia Internacional da Mulher

Hoje quando ouvir alguém dizer que o Dia da Mulher não faz sentido, envie-lhe este artigo. Imagem: © Imaxtree

Era uma vez um grupo de mulheres com uma voz e com vontade de mudar o mundo saíram à rua para reivindicar mais direitos. Protestavam contra as 15 horas de trabalho diárias e os salários baixos que recebiam, além de exigirem direitos iguais para homens e mulheres. Foi assim que tudo começou, em pleno dia 8 de março de 1857, quando um grupo de trabalhadoras da indústria têxtil organizou uma marcha, em Nova Iorque, para gritar por melhores condições de trabalho e a redução da jornada diária para 10 horas.

Exatamente no mesmo dia, mas cinquenta anos depois (1908), um outro grupo de trabalhadoras da mesma cidade norte-americana decretou uma greve. A razão por trás desta era a reivindicação pelo fim do trabalho infantil e o direito ao voto. E, daí, foi um pequeno passo até que o 8 de março ganhasse um outro significado. Um ano depois, a 28 de fevereiro de 1909, o Partido Socialista da América celebrou um iniciativa que intitulou de dia da mulher em memória dos protestos das empresárias têxteis.

Outra data importante também ligada à indústria têxtil, é o dia 25 de março de 1911, data em que morreram numa fábrica têxtil 146 mulheres. As trabalhadoras estariam trancadas dentro da fábrica quando deflagrou o incêndio na fábrica Triangle Shirtwaist, em Nova Iorque. O acontecimento chocou a sociedade e alertou a opinião publica para falta de condições de trabalho para as mulheres.

Do outro lado do oceano

Mas rapidamente o Oceano Atlântico foi transposto. Logo no ano seguinte, na Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, realizada em Copenhaga, Clara Zetkin propôs que o exemplo norte-americano fosse seguido, através da criação de uma jornada de manifestações. No entanto, a proposta ultrapassava a ideia de um dia específico para consciencializar a sociedade relativamente ao papel da mulher.

Mas a verdade é que o dia da mulher se celebra efetivamente a 8 de março. E a razão é simples: a 23 de fevereiro de 1917, realizou-se mais um protesto feminino contra a Primeira Grande Guerra e a fome consequente desta, que daria o mote para o início da Revolução Russa. Esta data, no antigo calendário russo, corresponde ao dia 8 de março no calendário gregoriano, pelo qual a maioria dos países se rege.

Com um salto temporal de quase 60 anos, aconteceu a oficialização internacional. Em 1975, as Nações Unidas decretaram 8 de março como o Dia Internacional da Mulher, que é celebrado em vários pontos do mundo com homenagens, manifestações e greves por uma sociedade mais igualitária ao nível do género.