Está A Ser Exigido Um Boicote a «Mulan» Depois De Declarações Da Protagonista

Liu Yifei mostrou, nas redes sociais, o seu apoio à polícia durante os protestos em Hong Kong. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

A atriz que irá dar vida à protagonista de Mulan na versão live-action do clássico da Disney de 1998, Liu Yifei, está a ser alvo de controvérsia, depois de declarar, nas redes sociais, o seu apoio à polícia de Hong Kong, acusada de utilizar força excessiva durante os protestos na cidade.

Naturalizada norte-americana, mas de origem chinesa, Yifei escreveu no Weibo – uma plataforma popular na China semelhante ao Twitter – que «aplaude a polícia de Hong Kong». «Podem todos bater-me agora. Que vergonha para Hong Kong», adicionou.

Reações que levaram à criação do #BoycottMulan

Apesar de, tal como o The Guardian nota, muitas redes sociais, de entre as quais o Twitter, serem censuradas na China, foram várias as críticas tecidas nesta plataforma. Os utilizadores acusaram a protagonista do filme da Disney de apoiar a violência utilizada pela polícia como meio de acalmar os protestos, em comentários acompanhados pelo #BoycottMulan. O hashtag tornou-se rapidamente numa das tendências nos Estados Unidos e em Hong Kong.

«Quão estúpido se é preciso ser para apoiar a brutalidade levada a cabo pela polícia quando se acabou de filmar uma personagem que supostamente se mostra contra a opressão na sua forma mais crua?», escreveu um internauta. «Boicote ao Mulan porque, enquanto estas pessoas em Hong Kong estão a lutar pelos seus direitos e a ser brutalizados pela sua própria polícia, Liu Yifei está feliz, nos EUA, a aproveitar os direitos que essas pessoas não têm, enquanto apoia a brutalidade da polícia de longe», declarou outro.

Um utilizador do Twitter comparou ainda, visualmente, a personagem que o público espera ver no filme e a atriz escolhida pela Disney para o live-action. A acompanhar a imagem, este sublinhou que o discurso de Liu é «uma vergonha» para a Mulan real e os manifestantes de Hong Kong.

A CNN nota que, por outro lado, no Weibo, são vários os utilizadores que aplaudem a declaração de Yifei. De acordo com o jornal, quase todos os comentários na publicação da atriz são em apoio da ação policial.

Protestos em Hong Kong

As manifestações, que tiveram início em junho, de forma pacífica, tomaram forma contra a aprovação de uma lei que permitiria a extradição de suspeitos de um crime, independentemente da sua natureza, para a China continental, onde seriam julgados. Esta legislação foi entretanto suspensa pelo executivo de Hong Kong, devido à dimensão dos protestos, mas não foi retirada por completo.

Com o avançar do tempo, as reivindicações da população evoluíram e, de momento, os manifestantes lutam não só pela retirada total da lei da extradição, como pela remoção das acusações dos manifestantes, uma investigação relativamente ao uso de força nos protestos e a possibilidade de elegerem diretamente os seus líderes, afastando o envolvimento de Pequim durante o processo.

Segundo nota a CNN, esta não é a única celebridade chinesa que vê os protestos do prisma favorável ao governo do seu país de origem. Também Jackie Chan, Tony Leung Ka-fai e Daniel Chan o fizeram. Pelo contrário, a cantora Denise Ho expressou o seu apoio aos manifestantes.