Beatrice Leanza, Crítica De Arte E Curadora Italiana, É A Nova Diretora Do MAAT

Esta inicia funções na segunda-feira, 2 de setembro. Por: Inês Aparício -- Imagens: © Valentina Sinis.

Depois de Pedro Gadanho ter abandonado o cargo, em junho, Beatrice Leanza sucede-lhe, esta segunda-feira, 2 de setembro, enquanto diretora executiva do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. A crítica de arte e curadora de origem italiana foi escolhida pela Fundação EDP, depois de entrevistas a diversos candidatos, pelo seu reconhecimento nas áreas da arte contemporânea, design e arquitetura, além da vasta experiência na gestão de projetos de equipa.

«A Fundação EDP acredita que o conhecimento de Beatrice Leanza nas áreas da arte contemporânea, do design e da arquitetura, bem como a sua experiência na implementação de estratégias culturais que envolvam a comunidade, serão decisivas para a continuação da afirmação do MAAT como uma instituição cultural de referência internacional», sublinhou a organização, em comunicado enviado à redação.

O percurso de Beatrice Leanza

Com uma sólida carreira profissional desde 2002, Leanza tem um MA (Master in Arts) em Estudos Asiáticos, pela Ca’Foscari University de Veneza, com uma tese de dissertação sobre a arte contemporânea na China. O seu primeiro passo profissional foi dado na CAAW (China Art Archives and Warehouse), o espaço de arte alternativo criado pelo artista Ai Weiwei, na qual foi curadora. Depois disso, fundou o BAO Atelier, de modo a promover ativamente a relação entre a China e a Europa nas áreas das artes visuais, design e arquitetura, e tornou-se curadora chefe do programa de investigação Across Chinese Cities, apresentado em 2014, 2016 e 2018, na Bienal de Veneza de Arquitetura.

Entre 2013 e 2016, Beatrice Leanza tornou-se na diretora criativa da Beijing Design Week, que é considerado o evento de arquitetura e design mais prestigiado da região. Dois anos depois, ajudou a fundar a B/Side Design, uma organização internacional que deu origem ao primeiro instituto independente de design e investigação na China, o The Global School.

De momento, além de diretora executiva do museu português, esta faz parte do Conselho do Design Trust, em Hong Kong.