China: Empresas Dão Férias a Trabalhadoras Para que Possam Encontrar um Marido

Na celebração do ano novo chinês as mulheres solteiras são «forçadas» a procurar um marido. Por: Margarida Brito Paes -- Imagem: ©Gtresonline

O Ano Novo Chinês não se faz apenas de lanternas voadoras e superstições ancestrais que fascinam o ocidente. Para as mulheres solteiras na China, estes dias e festividades podem ser um verdadeiro pesadelo. Ter mais do que 25 anos e estar solteira é dramático para as famílias mais tradicionais. O ano novo é visto como uma grande oportunidade para encontrar maridos às «encalhadas» e, por isso, muitas solteiras são levadas por familiares e amigos a encontros às cegas, festas de solteiros e até «feiras de casamentos».

Existe uma pressão social que leva várias mulheres a sofrer de ansiedade, devido à sua condição de «solteirona». Algumas mulheres mentem à família, dizendo que têm namorado, só para não ouvirem repetidamente a pergunta «porque é que estás solteira?» durante as festividades do Novo Ano. Foi o caso de Shen, com 25 anos, que decidiu fazer várias montagens fotográficas ao lado do ator Liu Haoran. Imagens que mais tarde mostrou aos pais dizendo que Liu era o  seu novo namorado. A família ficou tão feliz por ela finalmente ter um homem ao seu lado, que começaram de imediato a pensar no casamento. Cheia de remorsos pela mentira, Chen acabou por partilhar a história na rede social Weibo, e não tardaram a chover comentários com histórias idênticas.

A urgência de casar as mulheres já chegou às empresas

Esta ansiedade por casar todas as solteiras do país – os solteiros não sofrem tanta pressão, porque existe a crença de que os homens conseguem casar muito mais facilmente, mesmo depois de passar a barreira dos 30 anos – não é apenas uma questão cultural, é também uma questão social e uma preocupação do Governo. O rápido crescimento económico da China fez com que muitas mulheres começassem a ter carreiras mais bem sucedidas, deixando de ser o casamento a sua máxima prioridade. O número de matrimónios diminui há cinco anos consecutivos e o número de nascimentos em 2018 foi de 15,2 milhões, menos 2 milhões de bebés que no ano anterior. 

Preocupado com as consequências desta na realidade do tecido social chinês, o Governo tomou várias medidas para encorajar o casamento e a natalidade. Exemplo disso é a «licença do amor» para os professores, que consiste na dispensa de dois meio dias por mês para que os professores solteiros – cerca de 40% da totalidade dos profissionais da área da educação – para que possam ter encontros amorosos e conviver com outros solteiros. 

Duas empresas no sul de Shangai, juntaram-se a este espírito casamenteiro e criaram uma licença parecida para o Ano Novo Chinês. A diferença é que se aplica apenas às mulheres solteiras com mais de 30 anos. As trabalhadoras têm direito a mais oito dias de férias, além dos que estão previstos para celebrar o Ano Novo. Para os conseguirem têm apenas de se comprometer a participar nos encontros às cegas, que proliferam por todo o país nesta altura do ano. Se destes dias de «caça ao marido perfeito» resultar um casamento, até ao final de 2019, a empresa dá-lhe ainda o dobro do seu bónus anual.

Ser solteira na China

Atualmente existem 200 milhões de solteiros na China. Segundo um estudo, realizado o ano passado, pelo site de encontros Zhena, 85% das mulheres entre os 26 e 30 anos são pressionadas pela família para arranjarem um marido o mais rápido possível.

Veja na galeria algumas das imagens das celebrações do ano novo Chinês.