Marcas de Luxo e Grande Consumo Unidas Para Definir Medidas de Sustentabilidade

É a primeira vez que estes dois mercados da Moda se juntam para tomar medidas em conjunto. Por: Margarida Brito Paes -- Imagens: ©Imaxtree

A 45ª Cimeira dos G7 vai ser marcada por um momento histórico para a moda, e se tudo correr bem para o Mundo. A sustentabilidade na moda vai ser posta em cima da mesa. A cimeira começa esta sexta-feira, 24 de agosto e estende-se até dia 26 de agosto.

François-Henri Pinault, diretor executivo da Kering, irá apresentar, a Emmanuel Macron, um documento que regulamenta uma série de práticas e compromissos para uma moda mais sustentável. Esta declaração, que tem vários objetivos concretos foi assinado por 32 empresas do setor, desde o setor de luxo às companhias de grande consumo. A Kering, Chanel e Inditex, entre outras, estarão, assim, pela primeira vez lado a lado, a olhar por um objetivo comum: a sustentabilidade na moda.

«É a primeira vez que um sector privado vai apresentar algo na G7. Este é um momento incrível, mas o desafio mais importante é garantir que o Pacto da Moda se torna uma realidade», disse Marie-Claire Daveu, em comunicado.

Juntas as 32 empreses envolvidas representam mais de 150 marcas.

As medidas concretas para a sustentabilidade na moda

Neste documento, por agora apelidado de Pacto da Moda, as empresas traçam o objetivo de reduzir as emissões de carbono até 2050, procurar matérias-primas sustentáveis e utilizar 100% de energia renovável nos principais processos de produção através dos seus fornecedores. Além disso, comprometem-se a eliminar o uso em exclusivo de plástico até 2030, o que implica um investimento na eliminação da poluição das microfibras, na redução das fibras de plástico presente em alguns materiais, mas também na redução deste material poluente nas embalagens.

Apesar deste documento e estes objetivos não terem um valor legal, as 32 empresas que o assinaram serão auditadas para fiscalizar o cumprimento das normas estabelecidas neste documento.