Muçulmanas Desafiaram Proibição Ao Entrarem Numa Piscina Francesa de Burkini

Esta peça de vestuário não é permitida em várias piscinas e praias em França. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

Para muitos pode ser algo banal, mas, para um grupo de mulheres muçulmanas, entrar numa piscina pública era um sonho, dada a proibição da utilização de burkini nestes locais. Assim, estas desafiaram as regras de uma piscina local, em Grenoble, e juntaram-se a outras pessoas que aí passavam a tarde, com os seus fatos de banho, calções e biquinis, e que as aplaudiram pelo gesto.

«Temos o sonho: divertirmo-nos numa piscina pública como qualquer outro cidadão e acompanhar os nossos filhos, sobretudo porque Grenoble é muito quente no verão», contou Hassiba e Latifa, duas das protestantes, à BBC. «Temos de lutar contra as políticas discriminatórias e prejudiciais em França, uma vez que somos realmente privados dos nossos direitos de aceder a serviços públicos e infraestruturas camarárias», adicionaram.

Ainda que o nadador salvador as tenha avisado de que não poderiam mergulhar com aquele vestuário, estes membros do grupo Aliança Cidadã de Grenoble entraram na piscina e banharam-se por mais de uma hora. De acordo com a France Bleu, as muçulmanas foram posteriormente inquiridas pela polícia local e multadas em €35.

Este movimento, inspirado em Rosa Parker – uma ativista negra, pioneira dos direitos civis dos Estados Unidos, que foi presa por se recusar a dar o lugar no autocarro a um passageiro caucasiano, em Montgomery, Alabama, em 1955 -, foi mais uma das ações da «Operação Burkini». Lançada no mês passado, esta iniciativa pretende defender o que os membros do grupo Aliança dos Cidadãos de Grenoble consideram ser os direitos das mulheres muçulmanas.

A razão da proibição

O impedimento do uso de burkini não é exclusivo desta piscina em Grenoble. Este vestuário, considerado pelos defensores da proibição «uma ameaça ao secularismo da sociedade e um recuo nos direitos das mulheres», não é permitido em várias piscinas públicas e ainda em algumas praias francesas. Segundo a BBC, França tornou-se no primeiro país europeu a proibir o véu integral em público, já em 2010.