Maria do Céu Guerra Foi Distinguida Como «Melhor Atriz Da Europa»

O prémio será entregue a 6 de julho na abertura do Festival Internacional de Teatro – Actor of Europe. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

O prémio de Melhor Atriz da Europa foi atribuído pelo Festival Internacional de Teatro – Actor of Europe à portuguesa Maria do Céu Guerra. A informação foi avançada, em comunicado, pela companhia teatral A Barraca, na qual a atriz tem desenvolvido grande parte do seu trabalho artístico. De acordo com esta, a protagonista de Os Gatos Não Têm Vertigens receberá a distinção no sábado, 6 de julho, na abertura do festival, que se irá realizar no Lago de Prespa, nos Balcãs, na fronteira entre a Macedónia, a Albânia e a Grécia.

«Aos 75 anos, é uma das mais extraordinárias atrizes do teatro português e a alma da companhia teatral independente A Barraca (fundada em 1975)», sublinha o comité, presidido por Jordan Plevnes, na página oficial do festival. O prémio é atribuído, de acordo com este, desde 2003, de modo a «reconhecer o percurso artístico de uma personalidade do teatro e o contributo criativo para a memória colectiva da civilização europeia».

Em comunicado A Barraca frisou que o galardão «reconhece o enorme mérito de trabalho teatral e humanista de uma das figuras maiores do teatro e da cultura em Portugal». «Um prémio que muito honra A Barraca, companhia onde Maria do Céu Guerra tem desenvolvido grande parte do seu trabalho artístico e que reconhece o enorme mérito da prática teatral e humanista de uma das figuras maiores do Teatro e da Cultura em Portugal», lê-se ainda no Facebook da companhia de teatro.

Ministra da cultura aplaude distinção

A ministra da cultura, Graça Fonseca, já parabenizou Maria do Céu Guerra pela distinção. «É um dia particularmente feliz para a cultura portuguesa quando uma das suas atrizes, que numa longa carreira tem entretido, comovido e maravilhado o nosso público, vê a sua obra internacionalmente reconhecida», declarou em comunicado referido pela Rádio Renascença. Esta adicionou ainda que acredita que esta fora premiada «não só pelo seu percurso artístico, mas também, pelos valores humanistas da sua intervenção pública».