Uma Loja de Vestidos de Noiva Está a Ser Elogiada Pela Sua Montra Inclusiva

A razão? Um manequim a posar numa cadeira de rodas. Por: Inês Aparício -- Imagens: © Facebook The White Collection

A quantidade de vezes em que o Twitter vai à loucura é quase proporcional ao número de utilizadores da rede social. Se umas vezes é por estes terem uma palavra a dizer sobre um modelo caucasiano vestir uma camisola de Black Panther, outras é porque Kylie Jenner removeu o preenchimento de lábios. No entanto, desta vez, a plataforma encheu-se de aplausos, depois da partilha de uma fotografia da montra de uma loja de vestidos de noivas, na qual um manequim posa numa cadeira de rodas.

Foi a representação da inclusividade na montra da The White Collection, uma boutique em Portishead, no Reino Unido, que agradou os utilizadores do Twitter. A imagem publicada por Beth Wilson, ela própria numa cadeira de rodas há cinco anos, foi alvo de elogios pela «raridade de momentos em que a moda é inclusiva no que diz respeito à mobilidade reduzida».

«Esta é a primeira vez que vejo uma cadeira de rodas numa montra como esta (sem incluir lojas específicas para pessoas com mobilidade reduzida) e foi tão surpreendente vê-lo e fez-me sentir representada», revelou Beth Wilson à edição britânica do Metro. «É muito frequente que os indíviduos com mobilidade reduzida se sintam invisíveis, uma vez que não surgimos muitas vezes nos meios de comunicação, e especialmente a posar com roupas bonitas. A reação no Twitter mostrou que isto também tem um grande significado para a sociedade», acrescentou.

As reações à fotografia

Nas redes sociais, os utilizadores mostraram-se, tal como Wilson, bastante surpreendidos e agradados com a situação. Enquanto um escreveu «Tenho de admitir, esse vestido fica incrível na cadeira, é bom vê-los [à loja] mostrar que os vestidos ficam bem em todos os clientes», outro comentou «Isto devia ser a norma, mas é entusiasmante, especialmente numa loja de vestidos de noiva, uma vez que nunca vi a deficiência motora representada ou tornada comum nos media ou na indústria do casamento».

Para Beth Wilson, esta reação não é mais do que uma prova de que deveria existir uma maior aposta na representação das pessoas com mobilidade reduzida. Em entrevista ao Huffington Post, esta relembrou que 20% da população mundial tem algum tipo de incapacidade e, desse modo, «deveria exisitir um maior reflexo desse cenário na comunicação social, em campanhas e outros meios».