Halterofilista Canadiana Recebe Medalha de Ouro Seis Anos Depois da Prova

Christine Girard tinha conquistado, inicialmente, o bronze nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Por: Inês Aparício -- Imagens: © John Tavares

As máquinas do tempo podem ainda não existir, mas Christine Girard sentiu-se, certamente, a entrar numa durante esta semana. A halterofilista canadiana teve de recuar seis anos, ao momento em que participou no Jogos Olímpicos de Londres e conseguiu levantar um total de 235 quilos. Na altura, este feito valeu-lhe apenas o terceiro lugar na sua divisão — a dos 63 quilos —, mas a posição foi agora alterada.

Depois do Comité Olímpico Internacional ter reavaliado mais de 1500 amostras de urina de atletas que participaram nos Jogos Olímpicos de 2008 (Pequim) e 2012 (Londres), as halterofilistas do Cazaquistão, Maiya Maneza, e Rússia, Svetlana Tsarukaeva, que haviam conquistado o primeiro e segundo lugares respetivamente, foram desqualificadas. Assim, Christine Girard ocupou o primeiro lugar, entretanto vago devido aos resultados obtidos na análise a ambas as desportistas, que se mostraram positivos na utilização de substâncias ilegais.

A cerimónia de entrega das medalhas foi realizada apenas nesta segunda-feira, 3 de dezembro, no National Arts Centre, em Ottawa, Canadá, mas a halterofilista — já reformada — sabia que isto iria acontecer desde abril deste ano, altura em que o Comité Olímpico Internacional confirmou a distinção e resultados obtidos.

Na entrega das medalhas, Christine Girard sublinhou a importância do destaque: «Foi uma vitória para os nossos valores, uma vitória para um desporto mais limpo».

E uma medalha de bronze dez anos depois

Além do ouro recebido seis anos depois, a halterofilista conseguiu uma medalha de bronze pelos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008. Dez anos mais tarde, a cazaquistanesa Irina Mekrassova perdeu a prata. Assim, Christine Girard, que havia obtido o quarto lugar no evento, conseguiu subir ao pódio, arrecadando o nível anterior.

Outros atletas canadianos posteriormente medalhados

Esta situação não é única. Além de Christine Girard, Dylan Armstrong e Beckie Scott, que participaram nas competições de atletismo em Pequim (2008) e ski cross-country em Salt Lake City (2002), respetivamente, também foram recolocados no pódio devido à descoberta do uso de doping por outros atletas.