«Gravidez é Um Problema Que Dura Só Nove Meses», Diz Futura Ministra Brasileira

Foi assim que Damares Alves se mostrou contra o aborto. Por: Inês Aparício -- Imagens: © GTRESONLINE.

A posição de Damares Alves é clara: a futura ministra da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos no governo de Jair Bolsonaro, que tomará posse no Brasil no início do próximo ano, é contra o aborto e este é um assunto que não será abordado durante o tempo em que estiver à frente do cargo.

«Se a gravidez é um problema que dura só nove meses, o aborto é um problema que caminha a vida inteira com a mulher», defendeu Damares Alves num encontro com os jornalistas, esta quinta-feira, 6 de dezembro. A pastora evangélica e advogada clarificou ser «contra o aborto», explicando que acha que «nenhuma mulher quer abortar». «Elas chegam até ao aborto porque, possivelmente, não lhes foi dada nenhuma outra opção», acrescentou.

«Queremos um Brasil sem aborto, que priorize políticas públicas de planeamento familiar e que nunca seja visto como um método contraceptivo», até porque, na perspetiva da também assessora parlamentar do senador Magno Malta, «o aborto não desengravida nenhuma mulher».

Além disto, de acordo com o site de notícias G1a futura ministra da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos salientou que o seu ministério não irá lidar com esta temática, apenas «com a protecção da vida». Deste modo, a legislação vigente relativamente à interrupção da gravidez — que permite que esta seja realizada apenas em condições específicas, como em casos de abuso sexual, existência de risco de vida para a mãe ou quando o feto é anencéfalo (ou seja, quando apresenta uma má formação e anomalia rara no encéfalo) — não deve ser alterada, sublinhou o Jornal do Brasil.

O papel da mulher, segundo Damares Alves

Numa entrevista ao Expresso Nacional, em março, a futura ministra brasileira declarou que a mulher «nasceu para ser mãe» e que este é, de acordo com Damares Alves, «o papel mais especial da mulher». Esta acrescentou ainda que uma das suas maiores preocupações se prende com a ausência de uma figura feminina em casa, admitindo que, para si, o padrão ideal da sociedade implicaria que as mulheres estivessem «em casa, toda a tarde, numa rede, a baloiçar, enquanto o marido trabalha muito para as sustentar e encher de joias e presentes».

Segunda ministra no executivo de Bolsonaro

Damares Alves foi indicada para a pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, no futuro governo de Jair Bolsonaro, na quinta-feira, 6 de dezembro. Esta foi a segunda mulher a integrar o executivo do presidente eleito em outubro, depois da deputada federal Tereza Cristina ficar no Ministério da Agricultura.

A mudança de governo no Brasil acontece a 1 de janeiro, altura em que Damares Alves se torna, oficialmente, Ministra da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos.