«Pegar o Touro pelos Cornos» É Uma das Expressões Que a PETA Quer Eliminar

A organização de defesa dos direitos dos animais sugere ainda frases para as substituir. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

A língua portuguesa — e não só — está repleta de expressões e ditados populares que envolvem animais: desde «pegar o touro pelos cornos» a «gato escaldado de água fria tem medo», passando por «matar dois coelhos de uma cajada» ou «mais vale um pássaro na mão que dois a voar». Mas a People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) quer acabar com estas frases que, de acordo com a organização, trivializa a crueldade dos animais.

Foi através de uma publicação no Twitter que a PETA demonstrou a intenção de terminar com a utilização desta «linguagem anti-animal», justificando que «a nossa compreensão de justiça social evoluiu» acompanhada pelo desenvolvimento da nossa linguagem. A organização internacional que se dedica à defesa dos direitos dos animais oferece ainda alternativas a expressões comuns inglesas, algumas delas com traduções equivalentes em português.

Para «take the bull by the horns» (em português, «pegar o touro pelos cornos») a organização sugere trocar por «take the flower by the thorns» («pegar as flores pelos espinhos»). Já a «kill two birds with one stone» (o correspondente à expressão portuguesa «matar dois coelhos de uma cajada», mas que traduzido literalmente significa «matar dois pássaros com uma pedra») poderá ser substituída por «feed two birds with one scone» (traduzido à letra, «alimentar dois pássaros com um scone»).

Uma comparação com a linguagem discriminadora

No entanto, a People for the Ethical Treatment of Animals decidiu ir mais longe. Na mesma rede social, defendeu que, «tal como se tornou inaceitável usar linguagem racista, homofóbica ou preconceituosa, frases que trivializam a crueldade animal irão desaparecer assim que as pessoas comecem a apreciar os animais pelo que são».

As reações nas redes sociais

No entanto, esta comparação não foi bem vista pelos utilizadores do Twitter, que a consideraram como uma vulgarização das questões de género e etnia.

A resposta da PETA

Depois da publicação no Twitter se tornar viral, a organização veio em defesa do tweet: «Aos ‘haters’: com tanta negatividade no mundo, porque não acalmar e usar linguagem que encoraje a bondade para com os animais?», escreveu a PETA.

Houve também quem tenha decidido, tal como proposto pela organização, acrescentar as suas próprias alternativas. Assim surgiram expressões como «curiosity thrilled the cat» («a curiosidade emocionou o gato») ou «eat snow» («comer neve») para substituir «curiosity killed the cat» («a curiosidade matou o gato») e «eat crow» («comer corvo»), respetivamente.