Bolsonaro Pede Desculpa A Deputada A Quem Disse Que «Não Merecia Ser Violada»

O Presidente do Brasil fê-lo por «determinação judicial». Por: Inês Aparício -- Imagens: © Gtresonline.

Mais de 15 anos depois de afirmar que Maria do Rosário «não merecia ser violada», tendo completado, já em 2014, que a justificação estava relacionada com o aspeto físico da mesma, Jair Bolsonaro emitiu um pedido de desculpas à deputada do Partido dos Trabalhadores. Foi no Twitter que o Presidente brasileiro publicou, esta sexta-feira, 14 de junho, o comunicado no qual foi obrigado a lamentar o sucedido.

«Em razão de determinação judicial, venho pedir desculpas publicamente pelas minhas falas passadas dirigidas à deputada federal Maria do Rosário Nunes. Naquele episódio, no calor do momento, (…) retorqui afirmando que ela ‘não merecia ser violada’», começou por declarar o chefe de Estado.

Este apressou-se, contudo, a justificar o seu ato, datado de 2003. As palavras proferidas por Bolsonaro terão estado, de acordo com este, na sequência de uma ofensa injusta por parte da deputada, que o terá chamado «violador».

Além disto, o atual presidente manifestou o seu «integral e irrestrito respeito às mulheres», sublinhando que, na altura em que fez o comentário, havia defendido penas mais severas para os condenados por violação e crimes contra a dignidade sexual, como a castração química, «a fim de evitar a reincidência por parte destes criminosos».

Jair Bolsonaro fez ainda questão de relembrar o dia da sua tomada de posse, a 1 de janeiro deste ano, no qual «o protagonismo foi feminino, tendo a primeira-dama discursado antes mesmo do Presidente», para mostrar que «as mulheres brasileiras constituem um prioridade» para o seu governo e que o tem mostrado e continuará a mostrar «através de ações concretas».

A relação conflituosa entre Bolsonaro e Maria do Rosário

Estas mesmas declarações que o atual Presidente do Brasil proferira, em 2003, foram repetidas mais tarde, em 2014, na Câmara dos Deputados e em entrevista ao jornal Zero Hora. Jair Bolsonaro referiu que Maria do Rosário «nunca a violaria» por ser «muito feia» e «não fazer» o seu «tipo».

O governante foi posteriormente condenado a pagar 10 mil reais (o equivalente a 2300 euros) de indemnização à deputada por «danos morais». Bolsonaro recorreu dessa decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios e, apenas em maio deste ano, é que o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, determinou que a sentença iria ser realmente aplicada.

A resposta da deputada

Entretanto, Maria do Rosário partilhou na mesma rede social um comentário face ao pedido de desculpas do Presidente do Brasil. Esta frisou que a nota pública era «uma vitória de todas as mulheres agredidas e ofendidas diariamente pelo machismo» no país e que os seus advogados e a justiça iriam confirmar «se a sentença que o condenou à retratação foi integralmente cumprida».