Belinda Sharpe É A Primeira Árbitra De Campo na História do Rugby Australiano

Quinta-feira vai fazer-se história na Liga Nacional de Rugby da Austrália. Por: Inês Aparício -- Imagens: © D. R.

Belinda Sharpe descobriu a sua paixão pelo rubgy quando era ainda uma adolescente. Nessa altura, o seu pai mostrou-se contra a ideia de jogar este desporto profissionalmente, mas um amigo de família sugeriu-lhe uma alternativa: ser árbitra. Escusado será dizer que essa opção lhe agradou e que, mais tarde, acabou mesmo por fazer dela profissão, ainda que não na categoria principal. Agora, vai além, ao tornar-se na primeira árbitra de campo nos 111 anos de história da liga profissional de râguebi na Austrália, quando dirigir o jogo do campeonato marcado para esta quinta-feira, 18 de julho.

Esta foi nomeada, a par de Ben Cummins, pela Liga Nacional de Rugby (do original, NRL), como árbitra de campo para a partida entre os Broncos e os Canterbury Bulldog, no estádio Suncorp, em Brisbane. O chefe de competições de elite da NRL e ex-árbitro, Graham Annesley frisou, em entrevista à NRL, que este é «um momento histórico», para o qual Belinda «trabalhou de forma extremamente árdua (…) e foi promovida por mérito».

O género não é um problema no râguebi

Ao contrário do que se possa pensar, Berlinda Sharpe nunca sentiu preconceito por ser uma mulher num mundo considerado de homens. «Estamos todos certamente num ambiente de alta-pressão enquanto árbitros, por isso não vejo nenhuma diferença entre nós. Só queremos ir para o campo e fazer o melhor trabalho que as nossas capacidades permitam», disse à NRL. «Não nos conseguimos focar em nada externo, nem o irei fazer. O meu género é irrelevante neste aspeto. No final do dia, querem apenas um árbitro que seja capaz de fazer o seu trabalho e não importa necessariamente quem seja, ou se é um homem ou uma mulher. Apenas querem que faças um bom trabalho», adicionou.

Além disto, Sharpe sublinhou que mesmo os jogadores não a tratam de modo diferente. Não questionam as suas capacidades por ser do género feminino, ou não pedem desculpa por dizerem palavrões à sua frente. «Os jogadores estão habituados a verem-me enquanto árbitra desde que comecei a fazê-lo, há alguns anos, por isso não se dirigem a mim de maneira diferente», notou. Berlida Sharpe sempre desempenhou o papel de árbitra de linha, sendo esta a sua estreia enquanto árbita principal.