O Pequeno Apartamento de 58M2, em França, Onde Vai Querer Viver

Situado no sótão de um prédio em Lyon, este é um espaço onde não falta cor e alegria. Por: ELLE Portugal Por: Françoise Lefébure - Imagem: Pierrick Verny

«Sempre que possível, procurei ganhar um pouco mais de parede aqui, um pouco mais de teto ali, fui aproveitando o espaço e dando-lhe mais luz.» A decoradora de interiores Nathalie Rives adora este tipo de exercício e de deixar a sua assinatura nos lugares que trabalha, seja num castelo que remodela, na concept store Ecocentric, em Lyon (um projeto de sua autoria), numa empreitada no hotel La Tour Rose (onde reinterpretou suites e jardins) ou aqui, neste pequeno apartamento de 58 m2.

Sim, decididamente Nathalie Rives tem o vento a seu favor. Parisiense de origem e autodidata, a decoradora esteve desde a infância em contacto com arte, arquitetura, elegância e interiores de exceção. Em Buenos Aires e em Nova Iorque refinou a sua estética e, em 2010, adotou a cidade de Lyon, onde abriu uma galeria há três anos, com a sócia, Christelle Gesler. O ecletismo é o seu fio condutor. «Adoro o choque de culturas e o contraste de materiais e de épocas, os “acidentes” de estilo, ter um elemento surpreendente ou um objeto inesperado que fixe o olhar e chame a atenção», conta-nos. A decoradora de interiores não gosta de nada que seja «demasiado liso», como faz questão de dizer. Tem uma grande paixão por objetos e tecidos e coleciona Art Déco, candeeiros modernistas e cerâmica dos anos 50-70, os quais são, juntamente com cadeiras de autor, as suas grandes tentações.

Quanto à cor, usa-a com convicção, e não é por acaso que a marca de tintas Ressource lhe pediu para criar quatro tons para a sua coleção de edição limitada. O seu Bleu Velours tem destaque na sala deste miniapartamento no centro histórico de Lyon, confiado a Nathalie Rives por colecionadores que são também clientes da sua galeria. Aqui, a decoradora, com o seu imenso talento, brincou com as perspetivas intuitivamente, usou espelhos de forma perspicaz para aumentar o espaço, desenhou janelas e portas de vidro inspiradas nas construções geométricas de Mondrian e adornou o espaço com peças de design do passado e da atualidade.