A CoverGirl Tornou-se, Oficialmente, na Maior Marca de Beleza Cruelty-Free

A marca norte-americana adquiriu o selo «Leaping Bunny». Por: Vítor Rodrigues Machado -- Imagem: © D.R.

Um grande passo foi dado no caminho para o final dos testes em animais na indústria da cosmética. Isto porque a CoverGirl (e todos os que acompanharam atentamente as várias temporadas de America’s Next Top Model reconhecem a marcar) tornou-se oficialmente Cruelty-Free.

A marca, que faz parte do grupo Coty (responsável por marcas como a O.P.I, Risqué, Wella Professionals, Bourjois ou Rimmel) e que abriu recentemente a sua primeira loja, conseguiu, graças ao trabalho desenvolvido em parceria com a Cruelty Free International, adquirir o selo «Leaping Bunny». Um certificado que, como nos explicou Michelle Thew, CEO da organização, no passado mês julho, em Madrid, quando a Primark se tornou também oficialmente Cruelty-Free, só é atribuído depois de ser realizada uma extensa auditoria onde se garanta que todos os produtos, bem como os seus ingredientes, não são testados em animais.

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Beauties we have MAJOR news: COVERGIRL does not test on animals and now we’re Leaping Bunny certified by @CrueltyFreeIntl, which means we’re Cruelty Free across ALL our products, EVERYWHERE we’re sold! 🐰💄😊 At COVERGIRL, we believe that you shouldn’t have to choose between the beauty products you ❤️ and the values you believe in. As the biggest makeup brand to achieve the Leaping Bunny certification, we’re committed to getting affordable, ethical makeup into the hands of anyone who wants it. 🙌 Join us in celebrating our certification and supporting #CrueltyFreeBeauty by sharing your excitement with #COVERGIRLCrueltyFree and #COVERGIRLMADE! #linkinbio👆 * COVERGIRL is not sold in China and with our new BFFs at Cruelty Free International, we are working together to advocate for regulatory change to end animal testing globally

Uma publicação compartilhada por COVERGIRL (@covergirl) em

Em comunicado, Camillo Pane, CEO da Coty afirmou que: «Ser Cruelty-Free e conseguir o certificado Leaping Bunny para a CoverGirl era a coisa certa a fazer, no momento certo, e da forma correta». Acrescentando ainda que a decisão foi também motivada pela exigência dos consumidores: «Depois de ouvirmos os nossos consumidores, começámos esta jornada com a CoverGirl para mostrar o nosso compromisso com este assunto, tendo conseguido alcançar este cobiçado certificado».

Grupo Coty Terá Mais Marcas Cruelty-Free até 2020

Como o CEO esclareceu, a CoverGirl foi o primeiro passo do grupo, que agora pretende conquistar a mesma certificação para outras marcas. De acordo com a informação partilhada no site da Coty, até 2020, devem seguir-se a Calvin Klein, Marc Jacobs, Hugo Boss, Gucci e Philosophy.