Medicamento Para a Ansiedade Poderá Estar Indisponível Até Ao Fim Deste Ano

De acordo com o Infarmed, o Victan 2mg deverá ser reposto apenas no quarto trimestre de 2020. Por: Inês Aparício Imagens: © Laurynas Mereckas, no Unsplash.

Até ao quarto trimestre deste ano – ou seja, entre os meses de outubro e dezembro -, o Victan 2mg, um medicamento indicado para o controlo da ansiedade, estará indisponível em qualquer farmácia. A notícia foi avançada pela Autoridade Nacional do Medicamento, esta terça-feira, 21 de julho, que adicionou, em comunicado, estar a «desenvolver todos os esforços no sentido assegurar o abastecimento das farmácias e unidades de saúde com a maior brevidade, estando para o efeito a realizar contactos com outros agentes do setor».

Este medicamento, que tem como substância activa Loflazepato de Etilo e é classificado como benzodiazepina com actuação ao nível do sistema nervoso central, pode apenas ser apenas introduzido no mercado português, em embalagens de 20 e 60 comprimidos, pela empresa Sanofi Produtos Farmacêuticos Lda.. Significa isto que a substância ativa do medicamento só existe nesta marca e não em genérico, além de que «a sua incapacidade temporária de abastecer o mercado» traduzir-se-á numa «provável de reposição» deste apenas no final de 2020.

Em alternativa

Tendo em conta o possível longo período de tempo sem o medicamento, o Infarmed pediu orientações à Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica, no que a alternativas diz respeito. «De acordo com a evidência científica disponível, em alternativa ao medicamento Victan 2mg, em especial no tratamento de sintomas de ansiedade crónica e quando exista risco de ocorrência de sintomas físicos de abstinência, pode ser considerada a substância ativa Alprazolam 1mg em formulação de libertação prolongada, que se encontra disponível no mercado português», esclareceu a entidade.

Porém, esta defende que «deverá ser equacionada pelos profissionais de saúde a implementação de medidas não farmacológicas para controlo de ansiedade, direcionando a solução farmacológica para doentes com distúrbios de ansiedade crónico e refratário».

Assim como a Autoridade Nacional do Medicamento salienta, «para a prescrição da terapêutica alternativa mais adequada, deverá o utente contactar o seu médico».