RTP Suspende Episódio de Série Infantil Sobre Feminismo Após Queixas A Provedor

Em causa está a história sobre a ativista Thérèse Clerc, em 'Destemidas'. Por: Inês Aparício Imagens: © D. R.

Cada episódio de Destemidas – uma série infantil transmitida na RTP2, no espaço Zig Zag -, conta a história de uma mulher que, independentemente da época em que viveu, idade ou ideais, procurou tornar o mundo menos desigual. Seja através da quebra de imposições sobre o vestuário adequado a cada género, da reivindicação por espaço em áreas consideradas anteriormente apenas destinadas a homens ou a luta a favor do aborto. E foi exatamente este último tema, abordado num episódio centrado na vida de Thérèse Clerc, que viu críticas ao conteúdo, considerado por diversos telespectadores como inapropriado a crianças dos 10 aos 13 anos, o público-alvo do programa. Assim, após uma série de queixas à Entidade Reguladora para a Comunicação Social e ao provedor do telespectador – como confirmou o Correio da Manhã, este acabou temporariamente suspenso pelo canal de televisão público.

A decisão foi anunciada pela diretora da RTP2, em nota publicada na página de Facebook do canal, esta quinta-feira, 25 de junho. Nesta, Teresa Paixão avança que, apesar de não ter sido colocado um ponto final na série, o episódio em causa ficará, por tempo indefinido, em pausa. «O episódio sobre Thérèse Clerc foi temporariamente suspenso do espaço ZiG Zag porque reconhecemos que a linguagem utilizada no que diz respeito ao aborto não era a mais adequada para o público-alvo (10-13 anos) e voltará assim que estiver refeita a dobragem», declarou.

Sobre a serie Destemidas cumpre-me informar que não foi suspensa nem da RTP 2 – amanhã no seu horário normal, 11.30h,…

Publicado por RTP2 em Quinta-feira, 25 de junho de 2020

 

É de notar, porém, que o episódio em causa mantém-se disponível no site da RTP Play, assim como os restantes capítulos de Destemidas, aos quais Joana Ribeiro dá voz. Estes foram retirados do Zig Zag Play, mas continuarão a ser transmitidos como habitualmente, de segunda a sexta-feira.

A resposta do provedor do telespectador

Também Jorge Wemans, provedor do telespectador dos canais RTP, abordou a controvérsia, antes do comunicado emitido por Teresa Paixão. Este revelou ter respondido individualmente a todos os que o contactaram devido ao programa, além de ter recomendado aos responsáveis pela programação infantojuvenil a remoção do episódio das suas plataformas e a escolha de «outro horário mais apropriado a adolescentes», em caso de repetição da série de animação. «Elaborei esta recomendação porque a linguagem e a narrativa não são adequadas à comunicação para um público adolescente dos temas a que Thérèse Clerc dedicou a sua vida», adicionou.

Este sublinhou ainda acreditar que a seleção dos programas não reflete obrigatoriamente os valores da estação televisiva. «Difundir a história de uma mulher que alterou radicalmente a sua vida por ter tido contacto com os escritos de Karl Marx não torna um canal marxista. Nem em abortista por divulgar a história de quem lutou pela legalização do aborto. Muito menos pode o canal ser classificado de anticatólico por ter contado a história de uma mulher que sempre referiu o ambiente vivido na sua família católica como opressivo», escreveu.

Para completar, Wemans disse crer «que a RTP não pode, nem deve, esconder ao seu público adolescente estas realidades», devendo «de acordo com a Lei e as melhores práticas», falar sobre «as questões sensíveis da educação sexual e do aborto, da inquietação religiosa e da história das religiões, do amor e da amizade». «Não pode, nem deve, no entanto, fazê-lo do modo como surgem tratadas no referido episódio», salientou, por fim.

A reação da autora da versão original

Destemidas é uma adaptação da produção francesa Culottées, baseada na banda desenhada escrita por Pénélope Bagieu. Quando confrontada nas redes sociais com a decisão da RTP de suspender o episódio, a autora do original admitiu sentir-se «surpresa». «Na realidade, assusta-me que um canal de televisão público ceda a este tipo de argumentos», adicionou.

O episódio sobre Thérèse Clerc

Em 3:25 minutos, é contada a história de Thérèse Clerc, a ativista e feminista distinguida com a Legião de Honra francesa, em 2008. O 19.º episódio da série retrata a luta desta pela legalização do aborto, enquanto ajudava outras mulheres a interromper a gravidez, de forma clandestina, depois de ter decidido abandonar uma vida tradicional, considerada pela sua família «católica e bastante conservadora» como única via possível para o género feminino. É ainda referida a relação homossexual da francesa.

Apesar das críticas à versão portuguesa – que estreou em Portugal no Dia Internacional da Mulher e está, agora, a ser repetida -, Culottées já recebeu vários prémios internacionais.