Prada Compromete-se a Integrar Pessoas Com Deficiências Na Sua Marca

Esta é a primeira empresa do segmento de moda de luxo a fazer parte da The Valuable 500. Por: Inês Aparício Imagens: © D. R.

Os planos da Prada para se tornar uma marca mais diversa e inclusiva acabaram de se tornar mais concretos. A casa de luxo anunciou ter-se juntado à The Valuable 500, uma iniciativa global que procura dar voz às pessoas com deficiências, urgindo as empresas a incluir na sua agenda um maior foco para este grupo de indivíduos. E é exatamente isto que a maison pretende fazer: promover as necessidades de mulheres e homens com incapacidades, através de uma mudança no modelo de negócio que segue.

Enquanto primeira empresa do segmento da moda de luxo a integrar este programa, a Prada acredita que «a comunidade The Valuable 500, que abrange um largo grupo de indústrias a nível mundial, está a tornar-se mais forte a cada dia que passa». «Apoio ativamente a decisão de nos unirmos a esta coligação, uma vez que acredito fortemente no valor da diversidade», declarou Lorenzo Bertelli, diretor do departamento de responsabilidade social corporativa do grupo Prada, em comunicado. «Os diferentes contextos das empresas que aderiram a esta aliança é um ponto de partida crucial para construir um plano de ação global compreensivo, que nos irá enriquecer a todos», completou.

Na prática, isso irá refletir-se, numa primeira instância, no compromisso de contratar pessoas com síndrome de Down para a sua rede de lojas em Itália. Daí, o caminho continuará a fazer-se segundo o programa de atividades a longo prazo que a marca está atualmente a definir.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Prada (@prada)

A The Valuable 500

Criada pela ativista e empresária ligada à vertente social irlandesa, Caroline Casey, a iniciativa nasceu em janeiro de 2019, durante a reunião anual do Fórum Económico Mundial. O seu objetivo é colocar as pessoas com deficiências, independentemente de qual esta é, no mapa da liderança empresarial. E como pensa fazê-lo? Convencendo 500 multinacionais que tenham pelo menos mil funcionários a concretizar um compromisso público relativamente à inclusão de indivíduos com incapacidades na sua organização.