Os Melhores Momentos do ‘One World: Together At Home’

Da surpresa de Beyoncé ao final a quatro vozes. Por: ELLE Portugal Imagens: © D. R.

Neste momento, tudo o que menos precisamos é de resumos. Por comparação, estamos numa fase em que temos tempo para ler Os Maias completo, sem seguir as notas que nos permitem avançar dezenas de páginas, contornando todas as descrições exaustivas do autor. Mas, e já que estamos numa de referências a cultura, citando Agir, «tempo é dinheiro». Por isso, para que não tenha de ficar sentada no sofá durante cerca de 8 horas, reunimos, em baixo, os destaques do One World: Together at Home.

Ainda assim, se quiser ver todos os concertos, entrevistas, homenagens e informações sobre o combate à pandemia, pode fazê-lo aqui.

A surpresa da Beyoncé

Da longa lista de artistas que fariam parte deste concerto solidário, existia um em falta: o de Beyoncé. No entanto, isso não foi razão para que Queen B não aparecesse nos nossos ecrãs. Apesar de não ter cantado, deixou uma mensagem de agradecimento e apoio aos que estão na linha da frente da luta contra a expansão do novo coronavírus.

«Esta noite, celebramos os verdadeiros heróis, aqueles que estão a fazer o derradeiro sacrifício para nos manter a todos seguros, alimentados e com saúde. Aos médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde que estão longe das suas famílias para cuidar das nossas, continuamos a rezar pela vossa segurança. Àqueles na indústria da alimentação, os que fazem as entregas, carteiros e funcionários do setor de higienização que estão a trabalhar para que possamos estar seguros nas nossas casas, obrigada pelo vosso serviço», declarou.

Além disso, a cantora mencionou o desequilíbrio entre os mais afetados pela covid-19, referindo que a população negra é uma clara maioria dos infetados nos Estados Unidos. Esta baseia-se num estudo recente, levado a cabo em Houston, Texas, que mostra que, na cidade, 57% das mortes por covid-19 são de afro-americanos.

Charlie Puth é todos nós

Embora uma boa parte dos artistas que integraram o alinhamento do One World: Together at Home se tenham preocupado com o fundo por trás de si – alguns escolheram atuar nos espaços onde têm guardados os seus prémios, outros preferiram ter apenas obras de arte atrás e houve ainda quem tivesse deixado pouco à imaginação dos fãs, mostrando as suas salas ou jardins -, Charlie Puth assumiu simplesmente a realidade. O artista está de volta a casa dos pais, ao quarto em que criou muitas das suas músicas e onde a sua cama fica sempre por fazer, mesmo que todo o mundo o veja. Se está assim desde 2008, assim fica, certo?

Taylor Swift deixou-nos o coração

Quando o novo álbum, Lover, foi lançado, já em agosto do ano passado, Taylor Swift admitiu que uma das músicas não seria apresentada ao vivo. Soon You’ll Get Better, uma canção que escreveu para a mãe depois de descobrir que esta teria cancro da mama, foi, de acordo com a cantora, «demasiado difícil de escrever e demasiado difícil de cantar». Contudo, esta decidiu dar-lhe uma oportunidade neste concerto solidário e, ao piano, deixou-nos o coração.

Jennifer Lopez, a verdadeira fã de Barbara Streisand

À noite, sentada junto a uma árvore repleta de luzes, JLo provou que é uma grande admiradora de Streisand. Depois de deixar uma mensagem de esperança a todos, Lopez começou a cantar People, a música interpretada por Barbara Streisand em Funny Girl. Tudo isto, vestida com uma sweatshirt estampada com o rosto da protagonista do musical de 1968. A peça é de uma colaboração da Coach com Richard Bernstein e está, de momento, esgotada.

Kerry Washington é master na organização de livros

Esqueça os vídeos de ASMR. A verdadeira definição de paz interior e plenitude é ver a estante de Kerry Washington. Enquanto ouvíamos a protagonista de Scandal lembrar que a saúde mental pode ser afetada durante o distanciamento social e que existem recursos e profissionais prontos para apoiar quem precisar, não pudemos deixar de reparar em como os livros da atriz estão organizados: por cores. Seria um escândalo não o fazer, certo?

Quatro vozes numa só

Para encerrar o One World: Together at Home, Lady Gaga, que teve nas suas mãos a curadoria deste espetáculo virtual, juntou-se a Céline Dion, Andrea Bocelli e John Legend para darem vida a The Prayer. A acompanha-los, esteve Lang Lang ao piano, num final emocional.