Kim Kardashian Vai Lançar Um Podcast Para Falar Sobre Reforma Na Justiça Penal

Ainda não se sabe quando este projeto chegará ao Spotify. Por: Inês Aparício Imagem: © GTRESONLINE.

Não sabemos se esse é o seu objetivo, mas Kim Kardashian está um passo mais perto de se tornar omnipotente. Depois de ter começado na televisão com o Keeping Up With The Kardashians – que, entretanto, este mês, chegou à Netflix portuguesa, com duas temporadas -, ocupou um lugar de destaque no universo das redes sociais, juntou-se ao mundo da beleza, com a KKW Beauty, e da Moda, com a Skims, e, agora, chega ao Spotify. Não, não vai lançar um álbum de música (talvez, essa ideia possa ficar para Kylie, com Rise and Shine como hit). Em vez disso, vai desenvolver um podcast, no qual falará sobre a reforma na justiça penal norte-americana.

Seguindo o trabalho realizado pelo The Innocence Project, a organização sem fins lucrativos que esta tem vindo a apoiar – ajudando a exonerar quem terá sido condenado de forma injusta -, Kim continuará, com este projeto áudio, a promover a justiça e equidade perante a lei. Tal como nota a edição mexicana da ELLE, o membro do clã Kardashian-Jenner financiou campanhas para libertar, até ao momento, 17 reclusos submetidos a prisão perpetua, que considerava terem sido detidos indevidamente.

De acordo com o The Wall Street Journal, o podcast irá acompanhar o trabalho de investigação da produtora de televisão Lori Rothschild Ansaldi no caso de Kevin Keith. Este foi acusado de três homicídios, em 1994, e condenado a pena de morte.  No entanto, em 2010, foram encontradas novas provas que levantaram dúvidas quanto à responsabilização de Keith nestes casos. Ansaldi irá ainda co-apresentar e produzir o programa.

Não é ainda claro quando este podcast estará disponível na plataforma, nem os termos do acordo com o Spotify.

Kim Kardashian e o direito

Já no ano passado, a celebridade admitiu, numa entrevista à Vogue, que, no verão de 2018, começou um programa de estágio numa firma de advogados em São Francisco, Califórnia, de modo a obter o diploma em Direito. «Tive de pensar muito sobre isto. Senti que queria defender e lutar pelas pessoas que já pagaram as suas dívidas à sociedade. Sinto que o sistema podia ser tão diferente, e quero lutar para transformar isso», disse, na altura, à revista.

A decisão de estudar para se tornar advogada terá estado relacionado com o envolvimento de Kim na libertação de Alice Marie Johnson – um dos rostos da campanha para a Skims. Esta tinha sido condenada a 25 anos de prisão por um crime relacionada com o tráfico de droga, mesmo tendo sido o seu primeiro delito. Após ter consciência do caso, a empresária decidiu marcar uma reunião com o Presidente norte-americano, Donald Trump, para discutirem a possibilidade desta sair em liberdade. Um mês após esse encontro, a 6 de junho de 2018, Alice Marie foi libertada.